THE: Número de internações por condições de atenção básica diminui

meta considerada satisfatória é de até 35% de internações

Teresina apresentou uma diminuição significativa no índice de Internações Clínicas por Condições Sensíveis à Atenção Básica (ICSAB). A meta considerada satisfatória é de até 35% de internações e Teresina conseguiu chegar em 2015 com apenas 23,95% de internações, um número bem inferior ao considerado aceitável, de acordo com dados do Ministério da Saúde, através do Mapa da Saúde.

Essas informações foram socializadas em audiência pública na Câmara Municipal de Teresina durante apresentação do 2º Relatório Quadrimestral 2014 e 2015 da Secretaria Municipal de Saúde. “Esses dados representam a qualidade da resolutividade das ações na atenção básica, que é a porta de entrada dos serviços de saúde. Temos um bom desempenho da assistência à saúde por meio da atuação das equipes da Estratégia Saúde da Família, e esse trabalho tem surtido efeitos bastante positivos na nossa capital”, afirma Francisco Pádua, presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

Segundo o levantamento, foi registrada diminuição na proporção de internações que poderiam ter sido resolvidas no nível primário, o que significa ter ocorrido maior resolutividade na rede básica, ocorrendo o tratamento ou mesmo a cura dos pacientes ainda nas fases iniciais (prevenção, diagnóstico e tratamento precoce).

“O resultado positivo é conseqüência da boa atuação das Unidades Básicas de Saúde. São nesses locais onde existe o acompanhamento sistemático em saúde e os trabalhos preventivos, o que contribui para que as doenças sejam diagnosticadas e tratadas no nível da atenção básica, não evoluindo para a internação”, acrescenta o presidente da FMS.


No período de 2008 a 2014, a diminuição das internações tem ocorrido de forma progressiva. No ano de 2008, Teresina registrou o percentual de 40,9%, ao passo que em 2014, o percentual foi de 29,47%, percentual classificado como satisfatório pelo Ministério da Saúde, o qual estabelece como ideal os patamares entre 0 a 39,99%.

Outro dado que chama a atenção no Mapa da Saúde é que, no mesmo período (2008 a 2014), Teresina se destacou em relação ao Piauí (era 49,53% em 2008 e diminuiu para 45,02% em 2014) e até mesmo em relação ao Brasil (35,77% em 2008 que reduziu para 31,87% em 2014).

De acordo com Smithanny Barros, diretora de Ações Assistenciais da FMS, vários são os fatores que levam às melhorias dos indicadores expostos. “Nosso grande objetivo é trabalhar a prevenção das doenças, evitando que as pessoas procurem o serviço de saúde apenas em situações de urgência e emergência. Estamos melhorando cada vez mais nosso trabalho”, afirma.

Alguns dos fatores que levam aos bons indicadores do Mapa da Saúde em Teresina são: As salas de imunização foram ampliadas, muitas reformadas. As equipes de Saúde da Família (ESF) têm boa cobertura e estão implantando acolhimento aos usuários que não tem consulta agendada. O acompanhamento às famílias que precisam manter as condicionalidades para o programa Bolsa Família também melhorou. “São inúmeras as nossas ações. A suplementação do ferro e da Vitamina A, por exemplo, previne doenças. Nosso acompanhamento aos diabéticos está mais eficaz, temos inclusive um centro especializado”, explica Smithanny Barros.

A diretora explica ainda que a FMS tem constatado avanços que contribuíram para a diminuição do ICSAB: “Houve expansão das equipes de Estratégia de Saúde da Família, a população tem acesso fácil às vacinas; realizamos também a importante ação de acompanhar o crescimento das crianças e preveni-las contra anemias; temos três NASF (Núcleos de Apoio à Saúde da Família), que dão apoio às ESF (Equipes Saúde da Família). Estamos também implantando o acolhimento na atenção básica, facilitando o acesso às consultas por demanda espontânea, aquelas que não precisam de agendamento prévio. Estes são alguns fatores determinantes para redução do ICSAB”, lembra.


Fonte: Assessoria