Tigresa é resgatada de circo por ONG de São Paulo na zona Sudeste de Teresina

Tigresa é resgatada de circo por ONG de São Paulo na zona Sudeste de Teresina

A transferência foi realizada por veterinários e técnicos da ONG sem o uso de sedativos.

Foi debaixo de uma grande chuva que a tigresa Wiska foi resgatada do ?Circo Latino-americano?, que estava de passagem pelo loteamento Francisco Marreiros, zona Sudeste de Teresina.

O circo foi denunciado por maltratar o animal e o entregou voluntariamente à ONG Rancho dos Gnomos, localizada em São Paulo e que atua no resgate de animais com histórico de maus-tratos.



A transferência foi realizada por veterinários e técnicos da ONG sem o uso de sedativos. Técnicos do Ibama e do Batalhão Ambiental deram suporte à operação, que durou mais de uma hora. O animal passará por uma avaliação e será encaminhando a um espaço semelhante ao seu habitat.

De acordo com o superintendente do Ibama, Romildo Mafra, foi cogitado entregar a tigresa ao Zoobotânico de Teresina, mas por falta de estrutura do local o órgão teve que recorrer a uma ONG de fora para resgatar o animal, que já estava bastante debilitado.



De acordo com o presidente da ONG, Marcos Pompeu, o animal apresentava sinais visíveis de maus-tratos. Além de cega, a tigresa tinha ferimentos nas patas e respiração ofegante. ?A primeira medida que vamos fazer com esse animal é dar dignidade a ele?, disse Sílvia Pompeu, esposa do presidente e também colaboradora da ONG.

Os maus-tratos do animal foram confirmados pelo batalhão ambiental. Segundo a 1ª tenente Ivanildes Alves de Melo, que está respondendo pelo sub-comando do batalhão, os maus-tratos foram motivados pela falta de condições financeiras do circo e também pela falta de conhecimento.

O animal não tinha uma alimentação adequada, estava preso em um local totalmente diferente do habitat, estava com cartão de vacina atrasado e não tinha acompanhamento de veterinário.

A denúncia partiu de populares que procuraram a Associação Piauiense de proteção aos Animais- APIPA, que acionou o Batalhão Ambiental. Em seguida, o órgão entrou em contato com o IBAMA e com a Secretaria estadual de Meio Ambiente. ?Estes órgãos ficaram responsáveis por encontrar um local adequado para receber o animal.

Como no Piauí não há nenhum local com capacidade para receber um animal desse porte, eles entraram em contato com a ONG?, disse a 1ª tenente. O secretário do circo, Ivo Macedo, nega os maus tratos e diz que foi o próprio circo que procurou o IBAMA. Como o animal foi doado voluntariamente, o circo não receberá punição por maus tratos de animais.



Projeto que proíbe animais em circo será reapresentado aos vereadores

No ano passado, um projeto de autoria da vereadora Teresa Britto (PV), que previa a proibição de animais em circo na capital piauiense, não foi aprovado pela Câmara dos Vereadores de Teresina.

Para a vereadora e entidades de proteção aos animais, o caso do "Circo Latino-Americano" é mais uma prova de que o projeto precisa vigorar em Teresina. Por esse motivo, Teresina vai reapresentar o projeto aos demais vereadores e espera que os mesmo se sensibilizem desta vez com a causa.

A vereadora pontua três motivos que justificam a aprovação da lei. O primeiro deles é o próprio tratamento dos animais. Além disso, esse animal, por estar em condições inadequadas, também oferece risco de atacar a população, já que ele não recebe uma alimentação correta.

"Sem contar que isso é uma questão de saúde pública. Pois esses animais doentes podem transmitir doenças para as pessoas", finaliza a vereadora.



FOTOS: HÉLVIO MENESES

Fonte: Carolina Durães, Jornal Meio Norte