Transnordestina avança com 15 km concluídos tem previsão de conclusão em 2016

O trecho piauiense tem previsão de conclusão para 2016. São R$ 6 bilhões de investimentos do total de R$ 17 bilhões para toda a obra. Dos 5 mil empregos gerados, 3.200 estão no Piauí

A ferrovia Transnordestina foi exposta pelo governador Wellington Dias na reunião com a bancada federal piauiense como um investimento essencial para a expansão econômica e o alcance da meta do PIB de R$ 50,2 bilhões para 2022. O trecho piauiense tem previsão de conclusão para 2016. São R$ 6 bilhões de investimentos do total de R$ 17 bilhões para toda a obra. Dos 5 mil empregos gerados, 3.200 estão no Piauí. A Transnordestina passará pelos municípios de Elizeu Martins, Pavussu, Rio Grande do Piauí, Itaueira, Flores do Piauí, Pajeú do Piauí, Ribeira do Piauí, São José do Peixe, São Miguel do Fidalgo, Paes Landim, Simplício Mendes, Bela Vista do Piauí, Nova Santa Rita, Campo Alegre do Fidalgo, São Francisco de Assis, Paulistana, Betânia do Piauí, Curral Novo do Piauí e Simões.

Para a conclusão da obra no tempo previsto o Governo do Estado tem feito a regularização de áreas na região que dependem do posicionamento do Instituto de Terras do Piauí, Incra e da Secretaria de Transportes. “A intenção é levar a presidenta Dilma para conhecer esse novo Piauí”, afirmou o governador Outro investimento está na área de mineração onde a empresa Brasil Exploração Mineral S.A (Bremisa) apresentou ao governador o cronograma de investimentos da empresa na mina de exploração de ferro na cidade de Paulistana, o chamado projeto Planalto Piauí.

O diretor José Anchietano Junior destacou a importância da conclusão da Ferrovia para viabilizar também industrialização do ferro no Piauí. O grupo prevê a inauguração de uma unidade de beneficiamento de ferro no Estado em 2018.

Piauí evolui e alcança nível alto no IDHM


Wellington Dias apresentou aos deputados e senadores os indicadores do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do Piauí em 2010. Nesse período o Estado alcançou média de 0,646, saindo da escala de valor “muito baixo” para “médio”. Segundo o governador, atualmente o Piauí já está acima de 0,7 alcançando o nível “alto”. Em 1991, o índice do Piauí era 0,362, considerado “muito baixo”. A meta é alcançar o índice considerado muito alto que significa uma escolaridade média acima de 12 anos, uma expectativa de vida acima de 70 anos e uma renda acima de R$ 20 mil.

O governador também relembrou que a dívida do Estado chegou a ficar próxima do dobro da receita líquida. “Hoje, somos um dos seis estados brasileiros que tem uma dívida consolidada, próximo da metade da receita anual”, pontuou.

Wellington acrescentou que a despesa com pessoal em 2014 chegou a quase 53% e parte da folha teve de ser paga em 2015.


EDUCAÇÃO - O gestor apresentou ainda dados de que a taxa bruta de frequência escolar do Piauí é superior à do Nordeste e do Brasil. Sendo que 93% das crianças entre 6 e 14 anos estão na escola, maior índice do país. O percentual de pessoas com 15 anos ou mais de estudos chega a 8%.


A taxa bruta de frequência escolar do Piauí é acima da média do Nordeste e do Brasil. No Piauí, chega a 33,3% a proporção entre o número total de pessoas em todas as faixas etárias que frequentam os cursos fundamental, segundo grau ou superior em relação ao total de pessoas na faixa etária de 7 a 22 anos. No Nordeste o índice é de 30,4% e no Brasil de 27,9%.

 

Fonte: Ananias Ribeiro