Uso de etanol em vez de gasolina no Brasil gera créditos de carbono

Uso de etanol em vez de gasolina no Brasil gera créditos de carbono

Uma diretiva da União Europeia disse que essa troca cortaria emissões de CO2 em 71 por cento.

Um programa para a substituição de gasolina por etanol em frotas corporativas de veículos no Brasil conseguiu aprovação para emitir créditos de carbono, a primeira vez que esse tipo de troca de combustível gera reduções de emissões negociáveis.

Segundo a empresa que lidera o programa, um lote inicial de 2.195 créditos voluntários de carbono já foi emitido pela norte-americana Verified Carbon Standard (VCS), o maior programa global de redução de emissões de gases estufa no mercado voluntário.

Um segundo lote de aproximadamente 6.000 créditos deverá ser lançado em breve, disse a Ecofrotas, a maior gestora de frotas corporativas do Brasil, com cerca de 700.000 carros.

O VCS é uma organização sem fins lucrativos que concede créditos de carbono para projetos voluntários que comprovadamente reduzem emissões de gases do aquecimento global.

No Brasil, um país onde mais de 60 por cento dos carros podem rodar com etanol, a iniciativa da Ecofrotas pode oferecer a empresas uma opção para reduzir suas pegadas de carbono, ou uma forma de gerar receita extra com a venda dos créditos, ainda que no momento essa última alternativa seja pouco provável de ocorrer, devido aos baixos preços do carbono.

"Foi um processo complexo, porque não existiam metodologias aprovadas para receber projetos que pudessem gerar créditos a partir da troca de gasolina por etanol", afirmou Gustavo Somogyi, gerente de Inovação na Ecofrotas.

"Nós tivemos que criar a metodologia e submetê-la para aprovação no VCS antes de poder ingressar com nosso projeto", afirmou.

Projetos de geração de créditos de carbono a partir de troca de combustível são comuns no setor de energia, quando uma usina, por exemplo, substitui um combustível fóssil como carvão por biomassa ou outra fonte renovável.

Mas fazer o mesmo com a troca de derivados de petróleo por biocombustíveis em veículos era algo mais polêmico, devido a críticas de que alguns combustíveis renováveis não teriam credenciais tão verdes, por algumas vezes utilizarem muita energia em sua produção ou por gerarem impactos no uso do solo devido ao aumento do cultivo das matérias-primas.

A empresa brasileira à frente do programa, auxiliada por sua parceira, a consultoria paulista WayCarbon, incluiu dados de governos como os dos Estados Unidos e da União Europeia para justificar o programa.

Uma análise de 2010 da EPA, a agência de proteção ambiental norte-americana, disse que a substituição da gasolina pelo etanol de cana-de-açúcar poderia reduzir emissões de dióxido de carbono (CO2) em 61 por cento.

Uma diretiva da União Europeia disse que essa troca cortaria emissões de CO2 em 71 por cento.

Somogyi disse que cinco empresas com frotas gerenciadas pela Ecofrotas dividirão os créditos neste momento.

Pelo menos mais 10 empresas já manifestaram interesse em aderir ao programa.

Apenas cerca de 2.000 carros foram incluídos na primeira fase da iniciativa, mas segundo Somogyi cerca de 400.000 veículos dos 700.000 que a empresa gerencia são flex e poderiam operar exclusivamente com etanol, também se credenciando para receber créditos.

Para garantir que as frotas rodem apenas com etanol, as empresas usam um software que bloqueia pagamentos com cartões tipo vale-combustível quando o condutor tenta abastecer com gasolina.

Fonte: UOL