Vacina contra HPV vai chegar nas escolas da capital

A vacina está disponível nos postos de saúde

Como uma estratégia para imunizar o maior número de meninas entre 09 a 11 anos, que a segunda fase da campanha contra o vírus Papiloma Humano (HPV) vai chegar nas escolas públicas e particulares de Teresina. Por enquanto, as escolas estão agendando visitas dos profissionais de saúde.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi), a meta é imunizar 89.077mil meninas no Piauí; já em Teresina, a Fundação Municipal de Saúde espera vacinar 7.492 meninas, isso para aquelas que tomaram a primeira dose em março deste ano. Já as meninas entre 09 e 13 anos que ainda não foram vacinadas devem procurar as Unidades Básicas de Saúde.

Image title


A coordenadora estadual de Imunização, Jurema Chaves, reforça importância do público-alvo retornar às unidades de saúde para tomar a segunda dose da vacina contra o HPV e faz um alerta aos pais e responsáveis.

"A vacina está disponível nos postos de saúde. A gente reforça a importância dos pais ou responsáveis de levarem suas filhas que receberam a primeira dose no mês de março, para receber a segunda dose em setembro, nos postos de saúde. Inclusive, para aquelas garotas que não receberam nenhuma dose, elas podem iniciar as etapas de vacinação", esclarece.

Segundo a diretora de Vigilância em Saúde, Amariles Borba, a vacina contra o HPV protege as mulheres de quatro vírus que causam câncer no colo do útero e aponta que a aplicação da dose é a melhor forma de prevenção.

"A vacinação é para evitar o câncer no colo do útero.No Brasil, a incidência de óbitos ainda é muito grande. O que se verifica na literatura, é que na Inglaterra, na Nova Zelândia e na Austrália houve uma redução de 50% de redução nos casos de verrugas genitais e anais na população, principalmente, nas mulheres", explica.

As mulheres portadoras de HIV têm o esquema vacinal diferenciado e devem receber a terceira dose, este mês, o que não impede dessa população que não tomou vacina, iniciar o ciclo vacinal de imunização.

Fonte: Virgínia Santos e Márcia Gabriele