Veículos irregulares fazem transporte coletivo no Piauí

A Polícia Rodoviária Federal alerta que os usuários precisam ficar bastante atentos porque esse tipo de atitude está se tornando comum no Piauí

Esta semana a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu uma van que transportava alunos no trecho do litoral. O veículo que estava em péssimo estado de conservação foi retirado de circulação e o dono multado. Este ano mais de mil multas foram aplicadas por conta de infrações relacionadas com esse tipo de transporte no Piaui.

De acordo com o inspetor da PRF, Almir Bílio, o veículo com capacidade para 16 pessoas, conduzia 26 alunos da cidade de Parnaíba a Luís Correia, em más condições de uso.

?A van foi apreendida pois estava sem nenhuma condição de estar nas estradas, os pneus estavam carecas, não tinha cinto de segurança muito menos buzina. Sem nenhum tipo de documento, o veículo foi parado e apreendido pela Polícia Rodoviária?, conta.

Situações como essa são comuns, principalmente no período de férias. O inspetor ressalta que o risco de um acidente acontecer com um veículo em mau estado é muito alto.

De janeiro de 2014 até agora 191 acidentes foram provocados por defeitos mecânicos em ônibus e vans nas estradas brasileira e 17 pessoas morreram. Em 2013, oito acidentes foram provocados por causa de defeitos mecânicos no Piauí.

Há três tipos de infrações cometidas pelo dono do veículo que não esteja em condições de rodar nas estradas, são elas: conduzir veículo sem equipamento obrigatório, conduzir veículo com equipamento obrigatório ineficiente ou inoperante e conduzir veículo em mau estado de conservação.

Todas essas infrações são graves, com multas de R$ 127,69, com 5 pontos na carteira de habilitação e o veículo é retido.O inspetor Almir alerta que os passageiros devem ficar atentos às condições do veículo em que farão a viagem.

?Deve-se olhar o estado geral do veículo, estado dos pneus, se possui cinto de segurança, se os vidros estão quebrados, caso o veículo esteja em más condições o risco de haver um acidente é alto?, explica.

Fonte: Rhauan Macedo