Carros são queimados em protesto no bairro Caramujo, em Niterói

Carros são queimados em protesto no bairro Caramujo, em Niterói

Pelo menos quatro ônibus, um caminhão e dois carros foram incendiados. Na sexta, jovem que ia para a igreja foi vítima de troca de tiros.

Cerca de 30 manifestantes incendiaram quatro ônibus e outros três veículos (um caminhão e dois carros de passeio) no entorno da RJ-104 (Rodovia Amaral Peixoto), na altura da comunidade do Caramujo, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, na tarde deste sábado (19). Segundo informações do 12ª BPM, os manifestantes fecharam o acesso ao Morro da Caixa D?Água. Várias barricadas foram montadas impedindo a passagem de motoristas, inclusive de carros da Polícia Militar. O policiamento foi reforçado na região.

Os manifestantes seguiram por ruas da região, como mostrou a GloboNews. Um quinto ônibus chegou a ser depredado e teve os vidros quebrados, mas não chegou a ser queimado.

O Bope e o Batalhão de Choque fizeram nesta manhã uma operação na comunidade Morro do Céu, no Complexo do Caramujo. Um adolescente de 17 anos morreu. Ele estava de carona em uma moto que bateu em um veículo blindado do Bope.

O trânsito na Rodovia Amaral Peixoto ficou muito ruim no sentido Região dos Lagos. Os reflexos das interdições chegavam à Alameda São Boaventura e no acesso da Ponte Rio Niterói.

Na madrugada de sexta-feira (18), Anderson Santos Silva, de 21 anos, morreu ao ser atingido por um tiro quando ia para uma vigília de Páscoa com a família, naquele bairro. O jovem morreu durante um tiroteio entre suspeitos e policiais e seu enterro estava marcado para a tarde deste sábado, no Cemitério do Maruí, no bairro Barreto, em Niterói.

O rapaz chegou a ser socorrido e levado para o hospital, mas não resistiu. A irmã dele, que também foi baleada e levada para o Hospital Estadual Alberto Torres, em São Gonçalo, permanecia internada neste sábado. Segundo o hospital, a menina passa bem e continua em observação.

Arquidiocese lamenta morte

A Arquidiocese de Niterói, em nota, lamentou o a morte de Anderson Luiz.

"Anderson, que atuava na animação musical das celebrações, ia com sua mãe e sua irmã para a igreja, onde participariam da procissão penitencial. No trajeto que faziam de casa para a igreja, começou um tiroteio entre a polícia e membros da comunidade. O jovem, procurando defender sua mãe e sua irmã, foi atingido e morreu. Rezamos pelo consolo da família do Anderson, e manifestamos nossa solidariedade a todas as famílias que constantemente enfrentam situações de violência", diz a nota.

Conflito entre criminosos e traficantes

A confusão começou após denúncia de que criminosos circulavam pelo baile funk armados. Os PMs fecharam o baile e homens que estavam na festa atiraram contra os policiais. A Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói e São Gonçalo vai acompanhar o caso.

Fonte: G1