Verão exige cuidados com hidratação e alimentação das crianças; confira

Nesta época, é fundamental saber os riscos da exposição ao sol e proteger-se para aproveitar o melhor período das férias escolares

Com o aumento das temperaturas e a chegada das férias escolares os pequenos têm maior exposição solar, mais transpiração e modificações na dieta. Por isso, é fundamental conhecer os riscos próprios do verão e proteger-se para, assim, aproveitar o melhor desta época do ano.


“Crianças são grupos de risco independente de sua idade: os menores por uma dependência de mais cuidados enquanto as maiores pelo ritmo do desenvolvimento e busca de independência.

Assim, não há idade em que os cuidados e atenção da família possam ser dispensados, pelo contrário, a atenção familiar é essencial sempre”, explica o pediatra e membro do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Primeiros Cuidados, Yechiel Moises Chencinski.

Saiba como proteger a pele

Fique atento à idade e aos cuidados que cada fase demanda. Dessa forma, casos agudos de queimadura e insolação são possíveis prevenir, assim como quadros crônicos consequentes da exposição solar exagerada e desprotegida.

“Abaixo dos seis meses de vida, pelas características de pele, não se recomenda o uso de protetor solar, logo, é importante manter o bebê longe do sol direto. Após essa fase, o uso de bloqueador deve ser o de fator 30. Opte pelo uso de roupas leves e chapéus, assim como permanecer nas áreas de sombra o máximo possível”, recomenda o pediatra.

O foto bloqueador deve ser aplicado 15 minutos antes da exposição solar, com a repetição do processo a cada duas horas ou após imersão na água. Dê sempre preferência aos produtos em creme ou bastão; em aerossol requerem cautela e, ainda assim, somente após os dois anos.

“Entre outras questões de pele que aparecem pelo excesso de exposição solar e à umidade, podemos citar as brotoejas, as micoses e infecções de pele, como impetigos e piodermites. Ao sinal de qualquer alteração, entre em contato com o pediatra e não se automedique”, alerta Chencinski.

Hidratação é essencial, diz nutricionista

Mesmo que no Piauí, as temperaturas tenham caído nos últimos dias, vale a pena dar atenção especial à hidratação do corpo. A nutricionista Adriane Batista Gil reforça que os cuidados com as crianças e os idosos devem ser redobrados durante o verão.

"Os mais idosos não sentem sede e as crianças não entendem a sede. Portanto, é necessário oferecer a eles água e outros líquidos em diversos momentos do dia", alerta Adriane.

Se o ambiente está mais quente, o mesmo ocorre com a temperatura do corpo. É nesse momento que o organismo aumenta a produção de suor, com o objetivo de manter a temperatura adequada, eliminando água e sais minerais.

Outras funções corporais, como a respiração, urina e fezes, também ocasionam perda desse líquido precioso. A água tem funções essenciais no organismo, como promover o funcionamento de todos os órgãos, transportar os nutrientes e os produtos resultantes do metabolismo, regular a temperatura corporal, entre outros.

Grande parte do corpo é composta por água (aproximadamente 60% nos homens e 50 a 55% nas mulheres) e o desajuste entre a perda e reposição dessa substância pode levar a quadros de desidratação, que causam sintomas como fraqueza, tontura, dor de cabeça e fadiga.

Segundo a nutricionista, uma desidratação continuada, ainda que leve, pode interferir nos níveis cardíacos, renais, respiratórios e digestivos, comprometendo a saúde integral do indivíduo. "A água tem um papel regulador de muitas funções do organismo, desde o controle da temperatura até o bom funcionamento do sistema circulatório", afirma Adriane.

Além de água pura, água de coco, sucos de frutas, chás, melancia, tomate, abacaxi e folhas verdes podem contribuir para a hidratação, beneficiando assim a saúde de maneira geral.

E com a alimentação, qual cuidado deve-se ter?

As férias escolares, em geral, provocam mudanças na dieta alimentar. Isso acontece por diversos fatores, como a mudança de horários e a oferta alimentícia característica de praias e clubes. Somado a isso, uma alimentação mais liberada em decorrência das festas de fim de ano pode demandar maior atenção com os alérgicos e obesos.

É importante dar preferência aos alimentos frescos, que contenham muito líquido e vitaminas, pois auxiliam no bom funcionamento do intestino e fazem bem para a pele. É indicada a ingestão de, pelo menos, quatro porções de frutas para as crianças diariamente.

Evite sempre as gorduras, frituras, salgadinhos e doces, que possuem difícil digestão e baixo valor nutricional.

"Não é raro que até as crianças ganhem de 2 a 5 quilos nestes dois meses de férias. Normalmente, estas mesmas crianças levam de 4 a 6 meses para perderem este peso, tentando reconquistar sua confiança e autoestima", ressalta o Dr. Yechiel Moises.

É importante também ter atenção especial para a conservação dos alimentos. Segundo o médico, condições inadequadas de armazenamento são as razões mais comuns para quadros de diarreia, vômito e, consequentemente, desidratação.

"O verão ainda exige muitos outros cuidados com os pequenos. Os pais e responsáveis devem estar atentos para que as crianças não se percam nas praias e não corram o risco de afogamento em piscinas sem proteção. Assim como, ao viajar de carro, utilizar a cadeirinha corretamente e estar sempre com a carteirinha de vacinação em dia", destaca o pediatra Yechiel Moises Chencinski.

Clique aqui e curta o Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Jornal Meio Norte