Vereador pede perícia técnica da ponte estaiada em Teresina

Dudu (PT), denuncia que pode haver uma suposta falha no projeto

Após as suscetivas interrupções de funcionamento dos elevadores panorâmicos da Ponte Mestre João Isidoro França, o vereador de Teresina Edilberto Borges, o Dudu (PT), denuncia que pode haver uma suposta falha no projeto estrutural do empreendimento turístico. Para se ter uma ideia, somente em 2015 os ascensores já pararam de funcionar cinco vezes.

O parlamentar afirma que engenheiros o procuraram e relataram que o motivo causador dos constantes problemas dos elevadores seria um desnível nas alças da ponte. “Têm me chegado informações de pessoas que preferem não se identificar e eu tenho convicção que houve um erro sério no projeto estrutural. Há muito tempo bato nessa tecla”, conta o vereador Dudu.

O petista adianta que vai acionar a Prefeitura de Teresina judicialmente para conseguir obter informações e pareceres técnicos sobre a obra da Ponte Estaiada. “Esse foi um empreendimento que custou milhões e é bom que a PMT exponha o que realmente acontece no mirante para toda sociedade.

Queremos um parecer do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-PI), pois se haver mesmo essa falha vamos acionar a construtura que fez a ponte pois esses elevadores ficaram mais tempo parados do que funcionando”, acrescenta o parlamentar.

Ainda que os elevadores parem de funcionar por consecutivas vezes, a Superintendência de Desenvolvimento Urbano da região Centro Norte, responsável em administrar o mirante, nega as declarações do vereador Dudu e justifica o problema.

O superintendente João Pádua garante que o impasse se dá porque na administração municipal passada os elevadores passaram por manutenções incorretas. “Quebrava uma peça de um dos elevadores e a empresa contratada substituía a peça danificada de um elevador pela peça boa do outro. Por isso também os dois elevadores nunca funcionaram juntos”, explica.

De acordo com a SDU, a PMT contratou uma nova empresa e a cada dois anos são feitas manutenções corretivas e preventivas no mirante. “Não existe nenhum erro estrutural e um elevador já está funcionando perfeitamente. O outro em breve também funcionará”, promete João Pádua.

Inaugurado em 2010, o Mirante da Ponte Estaiada custou aos cofres públicos R$87 milhões. O local funciona de terça à sexta-feira, das 11 às 19 horas. Aos sábados, domingos e feriados o horário é diferenciado, abrindo as 10 e fechando às 18 horas. A taxa de serviço para ter acesso ao complexo é de R$ 3,00. Estudantes, idosos e deficientes têm o benefício da meia entrada.

Fonte: Thays Teixeira e Izabella Pimentel