Vistoria constata que cabo de alpinista morto estava rompido antes de queda de 60 metros

Vistoria constata que cabo de alpinista morto estava rompido antes de queda de 60 metros

Outra alpinista que estava com ele, identificada como Andréia Pereira, de 40 anos, sofreu pequenas escoriações.

Após uma vistoria na via Ferrata, no Morro do Pão de Açúcar, a Federação de Montanhismo do Estado do Rio de Janeiro (Femerj) constatou que o cabo de aço que segurava o alpinista Bruno da Silva Mendes, de 32 anos, que morreu durante uma escalada, estava rompido. A informação foi confirmada na manhã desta segunda-feira (3) pelo presidente da Fermerj, Delson Queiroz.

O presidente explicou que a vistoria estava marcada para esta segunda-feira (3). No entanto, segundo ele, os fiscais conseguiram acessar o local na noite de domingo (2). Bruno morreu após sofrer uma queda de cerca de 60 metros.

Outra alpinista que estava com ele, identificada como Andréia Pereira, de 40 anos, sofreu pequenas escoriações. Ela permanece internada no Hospital Miguel Couto, na Gávea, na Zona Sul. O quadro de saúde dela é estável.



Ainda segundo Delson, mesmo após a vistoria, os fiscais ainda vão verificar o que realmente causou a queda de Bruno. "Nosso objetivo é esse. Mesmo com o rompimento do cabo, ainda não entendemos como e o que ocasionou esta queda. Sabemos que Bruno seguia na frente da corda como guia da escalada e estava preso por uma corda a Andréia. Agora vamos aguardar", completou.

A entidade já havia feito um alerta aos alpinistas em sua página na internet sobre problemas no cabo de aço da Via Ferrata ou Cepi, onde ocorreu o acidente. "O cabo de aço da via Cepi encontra-se precário em alguns pontos, estando inclusive rompido em um determinado trecho", diz o aviso.

No entanto, o presidente disse que não havia informações de problemas no ponto exato do acidente. "De fato, o cabo está precário em alguns trechos, mas, curiosamente, neste ponto específico do acidente, o que a gente sabe é que houve manutenção recente", afirmou Delson.

De acordo com o presidente da entidade, a dupla seguia a escalada pela Via dos Italianos e teria emendado na Cepi, onde houve o acidente. Delson Queiroz informou também que já houve vários acidentes nesse trecho porque o cabo de aço facilitava o acesso de pessoas não preparadas.

Fonte: G1