Volta do Ebola na África aumenta vigilância nos aeroportos no BR

Volta do Ebola na África aumenta vigilância nos aeroportos no BR

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária redobrou a atenção

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária redobrou a atenção e informa estar preparada em todos os aeroportos. Vinte anos depois, justamente durante uma Copa do Mundo, o vírus Ebola volta a assustar o mundo, em especial a África Ocidental, onde teve origem.

A ONG Médicos Sem Fronteiras enviou mais 60 profissionais para a região. O vírus já matou 135 vítimas nos últimos meses na Guiné e Libéria. Há uma preocupação de entrada do vírus no Brasil com a chega das seleções e de turistas vindos do Continente.

As seleções da África classificadas para a Copa são Camarões, Nigéria, Gana, Costa do Marfim e Argélia ? os três primeiros da região ocidental e vizinhos da Guiné e Libéria.

Até abril, a Guiné registrou 197 casos suspeitos e 122 mortes ? outras 27 casos na Libéria, com 13 mortes. A PF e a Anvisa estarão atentos na imigração dos aeroportos.

Enquanto a vigilância aumenta nos aeroportos, uma preocupação já ronda as autoridades de saúde e policiais em São Paulo. Fontes indicam que há suspeita de dois casos de Ebola em estrangeiros que migraram do Acre para o Sudeste. Procurada, a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde de SP nega casos registrados do vírus, mas não comenta sobre as suspeitas.

O Acre tornou-se entrada de estrangeiros ilegais, não somente de haitianos ? a maioria ? mas também senegaleses e angolanos, que podem chegar ao Brasil infectados com o vírus.

Em nota enviada, a Anvisa ?reafirma que as Coordenações de Portos e Aeroportos nos Estados estão atentas e capacitadas para qualquer determinação de controle"". A agência também informa que ?os planos de contingencia estão prontos para serem acionados para qualquer evento de saúde publica. A Agência já tem o trabalho de rotina e vai acompanhar todos os desembarques internacionais durante a Copa"".

O Ebola foi descoberto em pesquisas de laboratórios em 1976. É um vírus que causa uma febre hemorrágica forte e rápida, e que mata até 85% das vítimas afetadas.

Fonte: UOL