A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada por um tipo de bactéria conhecida como Treponema pallidum. Só em 2019, de acordo com o Boletim Epidemiológico de Sífilis, foram detectados 152.915 casos em todo o Brasil, com taxa de detecção de 72,8 casos por 100 mil habitantes.

Tendo em vista essa situação de alerta, é preciso ficar atento aos indícios da doença. O primeiro sinal de sífilis é uma pequena ferida indolor, chamada de cancro, que pode aparecer nos órgãos sexuais, reto ou dentro da boca. Muitas vezes as pessoas não percebem isso imediatamente, por isso pode ser difícil de diagnosticar.

Preservativo é o melhor método de prevenção (Foto: divulgação)Preservativo é o melhor método de prevenção (Foto: divulgação)

Alguém pode ter a doença sem apresentar sintomas por anos. No entanto, quanto mais cedo a sífilis for descoberta, melhor. Sem tratamento por muito tempo, ela pode causar grandes danos a órgãos importantes, como o coração e o cérebro.

A sífilis só é transmitida por meio do contato direto com os cancros sifilíticos e não é transmitida por meio de compartilhamento de um banheiro com outra pessoa, vestindo roupas de outra pessoa ou usando talheres de outra pessoa.

Estágios da infecção por sífilis

Os quatro estágios da sífilis são:

primário

secundário

latente

terciário

Quando a sífilis está no estágio oculto ou latente, a doença permanece ativa, mas geralmente sem sintomas. A sífilis terciária é a mais destrutiva para a saúde e mais infecciosa nas duas primeiras fases.

Sífilis primária

O estágio primário ocorre cerca de três a quatro semanas depois que a pessoa contrai a bactéria. Começa com uma pequena ferida redonda chamada cancro. Um cancro é indolor, mas altamente infeccioso. Essa ferida pode aparecer onde quer que a bactéria tenha entrado no corpo, como na boca ou no interior dos órgãos genitais ou reto.

Em média, a ferida aparece cerca de três semanas após a infecção, mas pode demorar entre 10 e 90 dias para aparecer. A ferida permanece por cerca de duas a seis semanas. A sífilis é transmitida pelo contato direto com uma ferida. Isso geralmente ocorre durante a atividade sexual, incluindo sexo oral.

Sífilis secundária

Erupções cutâneas e dor de garganta podem ocorrer durante o segundo estágio da sífilis. A erupção não coça e geralmente é encontrada nas palmas das mãos e plantas dos pés, mas pode ocorrer em qualquer parte do corpo. Algumas pessoas não percebem a erupção antes que ela desapareça.

Outros sintomas de sífilis secundária podem incluir:

dores de cabeça

gânglios linfáticos inchados

fadiga

febre

perda de peso

perda de cabelo

articulações doloridas

Estes sintomas desaparecerão independentemente de receber ou não tratamento. No entanto, sem tratamento, a pessoa ainda tem sífilis.

A sífilis secundária é freqüentemente confundida com outra condição.

Sífilis latente

O terceiro estágio é o estágio latente ou oculto. Os sintomas primários e secundários desaparecem e não haverá nenhum sintoma perceptível neste estágio. No entanto, a bactéria permanece no corpo. Esse estágio pode durar anos antes de progredir para a sífilis terciária.

Sífilis terciária

O último estágio da infecção é a sífilis terciária. De acordo com a Clínica Mayo, aproximadamente 15 a 30 por cento das pessoas que não recebem tratamento para a sífilis entrarão nesta fase. A sífilis terciária pode ocorrer anos ou décadas após a infecção inicial. A sífilis terciária pode ser fatal. Alguns outros resultados potenciais da sífilis terciária incluem:

cegueira

surdez

doença mental

perda de memória

destruição de tecido mole e osso

distúrbios neurológicos, como acidente vascular cerebral ou meningite

doença cardíaca

neurossífilis , que é uma infecção do cérebro ou da medula espinhal

Como a sífilis é diagnosticada?

Se você acha que pode ter sífilis, vá ao seu médico o mais rápido possível. Eles tirarão uma amostra de sangue para fazer testes e também farão um exame físico completo. Se houver ferida, o médico pode tirar uma amostra da ferida para determinar se a bactéria da sífilis está presente.

Se o seu médico suspeitar que você está tendo problemas no sistema nervoso por causa da sífilis terciária, você pode precisar de uma punção lombar. Durante este procedimento, o fluido espinhal é coletado para que o médico possa fazer um teste para a bactéria da sífilis.

Se você está grávida, seu médico pode fazer um rastreio de sífilis porque a bactéria pode estar em seu corpo sem você saber. Isso evita que o feto seja infectado com sífilis congênita. A sífilis congênita pode causar danos graves em um recém-nascido e pode até ser fatal.

Tratar e curar a sífilis

A sífilis primária e secundária são fáceis de tratar com uma injeção de penicilina. A penicilina é um dos antibióticos mais usados e geralmente é eficaz no tratamento da sífilis. Pessoas alérgicas à penicilina provavelmente serão tratadas com um antibiótico diferente, como:

doxiciclina

azitromicina

ceftriaxona

Se você tiver neurossífilis, receberá doses diárias de penicilina por via intravenosa. Frequentemente, isso exigirá uma breve internação no hospital. Infelizmente, o dano causado pela sífilis tardia não pode ser revertido. A bactéria pode ser morta, mas o tratamento provavelmente se concentrará em aliviar a dor e o desconforto.

Durante o tratamento, evite contato sexual até que todas as feridas em seu corpo estejam curadas e seu médico diga que é seguro retomar o sexo. Se você é sexualmente ativo, seu parceiro também deve ser tratado. Não retome a atividade sexual até que você e seu parceiro tenham completado o tratamento.

Como prevenir a sífilis

A melhor maneira de prevenir a sífilis é praticar sexo seguro. Use preservativos durante qualquer tipo de contato sexual. Além disso, pode ser útil:

Use preservativos durante o sexo oral.

Evite compartilhar brinquedos sexuais.

Faça a triagem para DSTs e converse com seus parceiros sobre os resultados.

A sífilis também pode ser transmitida por meio de agulhas compartilhadas. Evite compartilhar agulhas se estiver usando drogas injetáveis.

As mães infectadas com sífilis correm o risco de abortos espontâneos, natimortos ou prematuros. Também existe o risco de uma mãe com sífilis transmitir a doença ao feto. Isso é conhecido como sífilis congênita.

A sífilis congênita pode ser fatal. Os bebês nascidos com sífilis congênita também podem ter o seguinte:

deformidades

atrasos de desenvolvimento

erupções cutâneas

febre

fígado ou baço inchado

anemia

icterícia

feridas infecciosas

Se um bebê tiver sífilis congênita e ela não for detectada, pode desenvolver um estágio avançado de sífilis. Isso pode causar danos a:

ossos

dentes

olhos

ouvidos

cérebro

HIV

Pessoas com sífilis têm uma chance significativamente maior de contrair HIV. As feridas causadas pela doença facilitam a entrada do HIV no corpo.

Também é importante observar que as pessoas com HIV podem apresentar sintomas de sífilis diferentes dos que não têm HIV. Se você tem HIV, converse com seu médico sobre como reconhecer os sintomas da sífilis.