Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Mangueira fecha Desfile das Campeãs seguido de 'bloco do arrastão'

Evelyn Bastos, rainha de bateria da Mangueira, disse que viu durante a semana uma enxurrada de ataques à escola

 Mangueira fecha Desfile das Campeãs seguido de "bloco do arrastão"
A jovem Cacá Nascimento, destaque da comissão de frente da Mangueira, erguendo faixa em homenagem a Marielle | Foto: GABRIEL MONTEIRO / Agência O Globo
Compartilhe
Google Whatsapp

Com o compromisso de tirar a poeira de fatos que marcaram a história do Brasil, a Estação Primeira de Mangueira, grande vencedora do Carnaval 2019, arrebatou a Marquês de Sapucaí no encerramento do Desfile das Campeãs. Como atrás da verde e Rosa só não vai quem já morreu, a escola, que conquistou seu vigésimo título, arrastou centenas de foliões no tradicional "bloco do arrastão". Emocionado com o título, o carnavalesco Leandro Vieira disse que saiu tudo como imaginava, e mesmo com o clamor dos componentes para que ele fique na escola, não confirmou se permanência em 2020 na agremiação.

— Não tem nada decidido. Não sei se ficarei na escola, porque a presidência da escola muda no mês que vem — justificou Vieira, que venceu dois campeonatos em quatro anos no Grupo Especial.

Evelyn Bastos, rainha de bateria da Mangueira, disse que viu durante a semana uma enxurrada de ataques à escola:

—As críticas fazem sermos melhores. Mas os ataques fizeram o nosso enredo ter uma importância maior ainda porque, além de passarmos a história para quem precisava ouvir, conseguimos oprimir os preconceituosos.

O ator Antonio Pitanga, homenageado este ano no enredo da Porto da Pedra, na Série A, desfilou como empurrador de carro na verde e rosa. E sua filha Camila Pitanga veio desfilando em ala.

Carnavalesco deve ficar no Salgueiro

Enquanto a festa rolava, as especulações sobre o troca-troca de carnavalescos continuava. Na Cidade do Samba, ventila a informação do retorno do carnavalesco Cauê Rodrigues à Imperatriz Leopoldinense. O profissional, que este ano trabalhou na Santa Cruz , da Série A, foi carnavalesco da Rainha de Ramos entre 2013 e 2018. O retorno é especulado porque, além de desfilar pela Imperatriz, o artista acompanhou o desfile das campeãs ao lado de Simone Drummond, filha do bicheiro Luizinho Drummond, presidente da Imperatriz.

— Desfilei pelo carinho que eu tenho com a escola. Foi um convite do Seu Luiz. Não tem (conversa para voltar a trabalhar) — desconversou Cahê sobre o retorno à agremiação.

Na Mocidade, o carnavalesco Alexandre Louzada, que já deixou a escola como O GLOBO anunciou nesta sexta-feira, não desfilou. Porém, a comissão de frente, comanda por Jorge Teixeira e Saulo Finelon, está renovada. Entre os trabalhos, está o Aladim voador da comissão de frente de 2017, quando a verde e branco da Zona Oeste foi campeã.

— Somos uma família na escola. Vamos ficar — adianta Saulo Finelon.

No acadêmicos do Salgueiro, o atual presidente da Salgueiro, André Vaz, disse que o carnavalesco Alex de Souza deve renovar:

— Já está 99% definido que ele fica. Nós queremos é ele também. Só precisamos sentar e conversar.

A ex-presidente do Salgueiro, Regina Celi Fernandes, que recentemente foi retirada do cargo por decisão judicial, também compareceu ao Desfile das Campeãs. Ela disse que muita água ainda vai rolar e prometeu lutar para voltar ao cargo:

— A luta para retomar a presidência da minha escola ainda não acabou. Muita coisa ainda vai acontecer. Os salgueirenses podem esperar que para o ano que vem terão muitas surpresas.

A provocação de Regina foi rebatida pelo presidente do Salgueiro.

— Posso dizer que nossa escola fez em dois meses um carnaval campeão. Estou muito satisfeito. Agora, sobre a Regina. Não quero falar sobre ela. Pra mim ela faz parte do passado da nossa escola. E ela faz o que quiser — disse Vaz.

Ao contrário do desfile oficial, Elza Soares não desfilou pela Verde e Branco de Padre Miguel.

Problemas no som

Nem só de festa foi a noite. O sistema de som da Sapucaí falhou em diversos momentos. Durante o desfile da Mocidade, o som parou de funcionar no final da apresentação. Os problemas voltaram a acontecer no Salgueiro.

Em um camarote, o homenageado pela Porto da Pedra em homenagem aos 60 anos de carreira, o ator Antonio Pitanga disse que a escola de São Gonçalo, terceira colocada na Série A, merecia uma posição melhor por ter homenageado à cultura brasileira:

— A maior alegria de um artista é, num tempo Dionisíaco que é o sambódromo, ser homenageado. É uma plateia que um ator nunca teve. Ser aplaudido por uma cultura genuinamente brasileira. Por acaso fui eu, mas a cultura foi homenageada. Fiz mais mais de 40 novelas, filmes. Agradeço à Porto da Pedra.

Eduardo Paes brinca na Portela

O ex-prefeito do Rio Eduardo Paes se jogou na bateria da Portela, a terceira escola a se apresentar. Conhecido por ser amante do carnaval, e da escola de Oswaldo Cruz, Paes esteve sumido durante os desfiles oficiais.

— Amo o meu Rio. Amo a Portela!

O político assistiu a escola passar no primeiro recuo da Marquês de Sapucaí ao lado da rainha de bateria Bianca Monteiro.

Vila Isabel e Viradouro também desfilaram na noite das campeãs.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×