Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

COE decide manter hospitais de campanha de Teresina em funcionamento

O prefeito ressaltou que a doença continua estável na capital, no entanto, por precaução, é necessário que se mantenha os hospitais em funcionamento.

Compartilhe

Os Hospitais de Campanha Padre Pedro Balzi, na Universidade Federal do Piauí, e João Claudino Fernandes, ao lado do Hospital de Urgência de Teresina, devem continuar funcionando para atender pacientes com Covid-19, em Teresina. A decisão foi tomada durante reunião que aconteceu nesta quarta-feira (02), entre o prefeito Firmino Filho e membros do Centro de Operações em Emergências (COE) da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

O prefeito ressaltou que a doença continua estável na capital, no entanto, por precaução, é necessário que se mantenha os hospitais em funcionamento. “O COE entende que há a necessidade de dar continuidade, apesar da pouca utilização, e a Prefeitura acata a decisão. Isso porque nós vivemos em um momento de incerteza em relação a uma possível segunda onda, que nós estamos vendo no restante do mundo”, disse.

Membros do COE em reunião com o prefeito Firmino Filho - Foto: Rômulo Piauilino

A diretora de Assistência Hospitalar da FMS, Jesus Mousinho, lembra que o número de leitos disponíveis nos hospitais caíram desde que foram abertos, devido à demanda que diminuiu. “No hospital Padre Pedro Balzi, por exemplo, o número de leitos diminuiu de 80 para 20, pela queda da demanda. Mas achamos mais prudente deixar o hospital em funcionamento”, afirmou. O hospital já atendeu cerca de mil pacientes, desde que foi inaugurado.

Os dados apresentados pelo COE durante a reunião, mostram que, nos últimos seis meses, o número de pacientes com Covid-19 que chegam ao sistema de saúde sofreu uma queda significativa. Já nos últimos três meses, os dados mostram que o número de casos e internações se estabilizou. No entanto, o infectologista membro do COE, Walfrido Salmito, afirma que é necessário que as autoridades em saúde se mantenham em estado de alerta. “Nós já vemos cidades do sul do país com 80% da ocupação de leitos, então, diante da incerteza se vamos mesmo passar por uma segunda onda, decidimos manter os hospitais abertos”, ressaltou.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar