Uma nova resolução da Secretaria de Educação do Estado de São Paulo determina que estudantes da rede estadual apresentem comprovante de vacinação contra a Covid-19 e todas as outras vacinas prescritas pelas autoridades sanitárias durante o segundo bimestre de 2022.

A mudança de regra acontece dias após o secretário estadual da Educação de São Paulo, Rossieli Soares, ter dito que a comprovação da vacina contra a Covid-19 não seria exigida dos estudantes da rede estadual de ensino para a volta às aulas presenciais.

A resolução foi publicada no Diário Oficial deste sábado (29) e determina que o responsável legal dos estudantes matriculados na rede pública estadual de ensino deverá apresentar o documento comprobatório de vacinação completa contra a Covid-19 ou atestado médico que evidencie contraindicação para a vacinação contra essa doença.

De acordo com a regra, os alunos sem imunização não podem ser impedidos de frequentar a escola, mas, se a documentação não for apresentada em até 60 dias, deverá ser feita uma notificação ao Conselho Tutelar, ao Ministério Público e às autoridades sanitárias.

Rede estadual deve cobrar comprovante de vacinação dos alunos | FOTO: Reprodução/G1Rede estadual deve cobrar comprovante de vacinação dos alunos | FOTO: Reprodução/G1

De acordo com o ECA, a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias, como é o caso da Covid, é obrigatória. Tanto o Ministério da Saúde quanto a Anvisa recomendaram a vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19.

Na quinta-feira (27), outro instrutivo publicado no Diário Oficial sobre o assunto determinou que o Ministério Público "deve zelar para que todas as escolas, públicas e privadas, situadas no território do estado de São Paulo, cumpram a obrigação de exigir, nos atos de matrícula e rematrícula e ao longo do ano letivo (...) as carteiras de vacinação devidamente atualizadas, com atestados de todas as vacinas prescritas pelas autoridades sanitárias, com especial atenção, no momento, para a campanha de vacinação contra a Covid-19, observada a faixa etária a ser atendida pelo programa de imunização."

Sem comprovante na rede municipal, por enquanto

A medida é válida apenas para a rede estadual de ensino. Contudo, a Secretaria Municipal da Educação de São Paulo já havia informado que não iria exigir a vacina contra a Covid-19 dos estudantes para a volta às aulas presenciais, prevista para 7 de fevereiro. De acordo com o órgão, a Secretaria passará a exigir o documento ainda no primeiro semestre de 2022, assim que as crianças forem vacinadas. 

Com informações do g1