Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Filho morre de coronavírus 17 dias após perder o pai para doença no RJ

Alexandre era filho do aposentado Antônio Edson Mesquita Mariano, de 67 anos, que morreu no dia 30 de março e teve o diagnóstico confirmado por exames

Compartilhe

Dezessete dias após perder o pai por complicações causadas pelo novo coronavírus, o garçom Alexandre Moreira Mariano, de 45 anos, morador da Rocinha, na Zona Sul do Rio, morreu na madrugada desta segunda-feira também em decorrência da doença, segundo a família. Alexandre era filho do aposentado Antônio Edson Mesquita Mariano, de 67 anos, que morreu no dia 30 de março e teve o diagnóstico confirmado por exames. A viúva do aposentado, Maria Lúcia Moreira Mariano, de 63, que é diabética e faz hemodiálise três vezes por semana, também testou positivo para Covid-19 e está internada no Hospital Federal da Lagoa desde o último dia 31. As informações são do O Globo.

Alexandre estava internado há duas semanas no Instituto estadual do Cérebro Paulo Niemeyer, no Centro, onde chegou a ser sedado e fez uso de respirador. De acordo com parentes, um teste feito na unidade de saúde já tinha confirmado a infecção pela doença. Procurada, a Secretaria estadual de Saúde informou que "não comenta casos específicos de mortes confirmadas ou investigadas".

Nas redes sociais, parentes e amigos lamentaram a morte de Alexandre. "Perder o tio e o sobrinho em 15 dias, que tristeza", escreveu uma amiga da família. Outra manifestou preocupação com o avanço da doença na comunidade: "O inimigo invisível está mais perto do que se pode pensar", escreveu.

A disseminação do contágio preocupa as lideranças comunitárias da Rocinha. De acordo com informações da Secretaria municipal de Saúde, a comunidade tem 36 casos confirmados e 3 óbitos. Os números, no entanto, são contestados pelo presidente da associação de moradores da comunidade, Wallace Pereira, segundo o qual há casos já confirmados que ainda não foram notificados.

- Fiz uma investigação pessoal nos postos de saúde e nas clínicas particulares, e tive ciência de pelo menos 90 casos já confirmados por testes. Só em duas clínicas particulares, foram 47 testes com resultados positivos. Além disso, foram feitos cerca de 120 testes que ainda aguardam resultado - diz ele.

Segundo Wallace, famílias inteiras têm o procurado para informar que estão com sintomas de coronavírus e não sabem a quem recorrer.

- Estou com muitos casos dentro de casa em que o pai, a mãe e os filhos estão com os sintomas. Eles reclamam que ninguém dá atenção a eles. Realmente, é preciso ter uma solução e isso será possível se houver uma abertura por parte da prefeitura. A associação de moradores pode ajudar com isso - diz Wallace.

A organização Favela Sem Corona tem feito testes em moradores da Rocinha desde sábado. Dos 35 testes feitos, 21 já têm o resultado: dez foram positivos e 11 negativos.

- Estamos fazendo uma triagem junto com as lideranças comunitárias para identificar as pessoas que estão em grupo de risco. Temos uma fila com mais de 400 pessoas para o teste. A testagem em massa é muito importante, pois quanto antes tiver o diagnóstico mais cedo poderemos tentar dar aos pacientes acesso a um tratamento digno. Tivemos o caso de uma senhora que chegou aqui com problemas respiratórios e o teste deu positivo. Ela fez o teste pela manhã e à noite veio a falecer - conta a socióloga Luciana Barros, coordenadora do Favela Sem Corona.

De acordo com Wallace Pereira, embora o estado contabilize oficialmente apenas três óbitos em decorrência da Covid-19, a associação de moradores calcula que pelo menos 12 moradores da comunidade tenham morrido em decorrência da infecção pelo novo coronavírus.

De Sobral para a Rocinha

A morte do aposentado Antônio Edson foi o segundo óbito registrado na Rocinha em função da doença. De acordo com o último boletim publicado pela Secretaria municipal de Saúde, são três mortes confirmadas na comunidade. Até o corpo de Antônio Edson ser cremado, a família não tinha o diagnóstico confirmado, já que a certidão de óbito trazia apenas a indicação da provável causa da morte: "suspeita de infecção por Covid-19". A certeza só veio dias depois, quando parentes foram notificados pela clínica da família que exames confirmaram o diagnóstico.

Dez dias após o aposentado morrer, a Secretaria municipal de Saúde confirmou que um dos mortos na Rocinha era um homem com 67 anos, assim como Antônio Edson. Porém, pela ética médica, o órgão informou que não divulga detalhes que possam identificar a vítima, incluindo a data do falecimento.

A família de Antônio Edson é natural de Sobral, cidade cearense com cerca de 150 mil habitantes a cerca de 230 quilômetros de Fortaleza. Na década de 1970, seu pai, Francisco José Mesquita Mariano deixou o Ceará em busca de uma vida melhor no Rio. Seu Francisco e a família se fixaram na Rocinha, onde ele trabalhou como feirante vendendo produtos nordestinos.


Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar