Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Piauí é destaque internacional por busca ativa de pacientes com Covid

Programa Busca Ativa é uma iniciativa do Governo do Piauí, que busca identificar casos da Covid-19 ainda não registrados, permitindo um acompanhamento e tratamento imediato de cada caso

Compartilhe

O Piauí foi destaque na imprensa internacional devido o pioneirismo nas medidas para a redução da proliferação do novo coronavírus e por implementar ações para identificar e acompanhar pessoas contaminadas pelo Sars-Cov-2. O site da revista científica norte-americana  Foreign Affairs, destacou que o Governo do Estado criou o Programa Emergencial de Busca Ativa Covid-19, que constitui, em cooperação com os municípios, equipes para promover, nos territórios de desenvolvimento do estado, o rastreamento de pessoas contaminadas pela Covid-19. No estado, mais de 190 municípios já aderiram ao programa.

Programa Busca Ativa atende mais de 170 municípios no Piauí - Foto: Divulgação/Sesapi

A criação do programa, por meio do decreto nº 18.972, de 08 de maio de 2020, foi motivada pela grave crise de saúde pública em decorrência da pandemia da Covid-19 e o seu caráter absolutamente excepcional a impor medidas de combate à disseminação do surto pandêmico. A iniciativa prevê um trabalho conjunto entre Estado e Municípios, utilizando-se das equipes do Programa Saúde da Família (PSF) no trabalho de campo. Desta forma, o Piauí foi o primeiro estado do Brasil a implementar esta nova modalidade de monitoramento da doença, já prevista e recomendada anteriormente pelo Comitê Científico do Nordeste.

O rastreamento de pessoas possivelmente contaminadas pelo novo coronavírus prevê a aplicação de testes para a Covid-19 a fim de identificar pacientes positivados; cadastro de pacientes contaminados no banco de dados da plataforma Monitora Covid-19 e acompanhamento de pacientes contaminados pelas equipes de saúde.

LEIA A REPORTAGEM COMPLETA TRADUZIDA:

O estado do Piauí, na região Nordeste do Brasil, respondeu ao novo coronavírus com uma operação notavelmente eficiente. Em mais de 190 cidades, os profissionais de saúde que fazem parte do programa "Busca ativa" do Piauí usam um aplicativo e telefonemas para monitorar os sintomas de pacientes suspeitos e confirmados de COVID-19 em suas casas e, em seguida, fazem visitas à casa para verificar os níveis de oxigênio e testar membros da família. Embora vários hospitais públicos de dois estados vizinhos tenham atingido a capacidade total da UTI nas últimas semanas, cerca de 35% dos leitos equipados com respiradores do Piauí em hospitais públicos estavam disponíveis na última terça-feira.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR A MATÉRIA ORIGINAL

A resposta do Piauí deve sua força à do sistema público de saúde universal do Brasil, chamado SUS (Sistema Único de Saúde). O SUS pertence a todo o país, mas apenas algumas cidades e estados o mobilizaram efetivamente durante a pandemia. Os vastos diferenciais em todo o Brasil mostram que apenas um sistema de saúde pública não é suficiente. O sucesso desse sistema depende de uma boa administração - algo que o país carece profundamente.

O presidente Jair Bolsonaro saudou a pandemia ao tentar desarmar o SUS, espalhar desinformação sobre o vírus e minar a colaboração internacional em saúde. Como resultado, o Brasil é agora um epicentro global para o coronavírus, com mais de 61.000 mortos . Um país que já foi admirado por seu sistema de saúde responsivo e sua diplomacia em saúde tornou-se um pária pandêmico. Mas enquanto a resposta tardia do país à crise mundial da saúde pública prejudicou sua reputação internacional no campo da assistência médica, o Brasil continua sendo o lar de fortes líderes locais que prenderam o deslize. O trabalho deles sugere um projeto nacional em andamento que ainda pode sobreviver a Bolsonaro. 

Piauí se destaca internacionalmente por Programa Busca Ativa - Foto: Divulgação/Sesapi

BLUES DE GESTÃO

O sistema de saúde pública do Brasil é ambicioso em seu escopo e subfinanciado. O SUS é o principal prestador de serviços de saúde para 78% da população - mais de 163 milhões de brasileiros - que não possuem planos de seguro privados. E, no entanto, o país dedicou apenas 3,9% do PIB nacional ao seu sistema público de saúde em 2017; o Reino Unido, que administra um sistema de design semelhante, investiu 7,8% (a média entre os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) foi de 6,5% ).

No entanto, ao longo de seus 30 anos de atuação, o SUS ofereceu muitos serviços valiosos aos brasileiros, incluindo atenção primária e vigilância de doenças de longo alcance. Além disso, o SUS usou sua capacidade de responder efetivamente a pandemias passadas: a partir da década de 1990, por exemplo, o SUS forneceu tratamento anti-retroviral gratuito para todos os brasileiros que deram positivo para o HIV. Em 2015, um padrão de defeitos congênitos surgiu no nordeste do Brasil, e os epidemiologistas do SUS os rastrearam rapidamente até o vírus Zika e alertaram as autoridades internacionais.  

Dado o alcance e a agilidade do SUS, os especialistas em saúde afirmam que, mesmo após recentes cortes de austeridade , ele poderia ter montado uma resposta igualmente robusta ao COVID-19 - se apenas um tivesse sido adequadamente coordenado. Infelizmente, Bolsonaro começou a interromper o planejamento antecipado para essa resposta em meados de março. Táticas de empréstimo do presidente dos EUA, Donald Trump, Bolsonaro e seus principais apoiadores criticaram o distanciamento social, inundaram as mídias sociais com informações errôneas subestimando a ameaça e divulgaram a cloroquina como uma cura. Bolsonaro minou ainda mais a resposta de especialistas instalando mais de 20 ex-oficiais militares, a maioria com pouca ou nenhuma experiência em saúde pública, nas principais fileiras do Ministério da Saúde.

Os departamentos de saúde estaduais e municipais foram deixados para preencher o vácuo de liderança, com poucos recursos à sua disposição. O SUS havia reduzido recentemente, o financiamento federal de emergência era escasso e a coordenação letalmente lenta. O Brasil carecia da capacidade industrial de produzir suprimentos médicos necessários, como respiradores, testes e equipamentos de proteção. As desigualdades regionais há muito marcavam o sistema de saúde do país, e agora se destacavam em grande relevo: no estado da selva do Amazonas , onde, no início do hospital público pandêmico, os leitos de UTI per capita eram inferiores à média nacional e existiam principalmente em um único cidade, o COVID-19 matou mais de duas vezes a taxa nacional.

Para todos os déficits do Brasil, no entanto, possui um ativo potencialmente poderoso no SUS. O sistema emprega cerca de 300.000 médicos, enfermeiros e agentes de saúde em todo o país na atenção primária - os mesmos trabalhadores nos quais o programa Active Search do Piauí conta. "Não precisamos contratar marcadores de contato, como outros países fazem", disse Miguel Nicolelis, que dirige um comitê científico que aconselha nove governadores brasileiros, incluindo o governador do Piauí. "Nós temos um exército."

O SUS pode ainda suportar sua extensa capacidade de vigilância de doenças, que permite às autoridades de saúde pública e pesquisadores mapear casos nas ruas de residência dos pacientes. O comitê de Nicolelis usou essa ferramenta para rastrear a disseminação do coronavírus pelo interior do Brasil ao longo de rodovias interestaduais, e o departamento de saúde do estado de Pernambuco o utiliza para publicar mapas de casos nas ruas. Por fim, o SUS atendeu a COVID-19 a centenas de milhares de brasileiros sem custos diretos.

Na medida em que o Brasil atrapalhou sua resposta à pandemia, a falha está menos na capacidade de seu sistema de saúde do que na qualidade de sua gestão. A maioria dos governos municipais e estaduais não conseguiu mobilizar efetivamente os recursos do SUS devido à falta de protocolos e decisões federais para ignorar o conselho de especialistas em saúde . Os empresários pressionaram as autoridades locais contra os requisitos de distanciamento social, os subempregados lutaram para cumpri-los e o negação do vírus de Bolsonaro se espalhou pela população. Cada vez mais, porém, os políticos locais estão substituindo seus esforços por buscas por assistência técnica. Em pelo menos quatro estados que não o Piauí, os governos vincularam os profissionais de saúde pública ao aplicativo usado no programa Active Search.

QUEDA DA GRAÇA

Há pouco tempo, o Brasil era conhecido por seu papel na promoção da equidade global no acesso aos serviços de saúde. Em resposta à pandemia de HIV / AIDS, por exemplo, o Brasil ajudou a liderar uma campanha bem-sucedida para conseguir que a Organização Mundial do Comércio permitisse a quebra de patentes farmacêuticas durante emergências - também conhecida como licenciamento compulsório. Entre 2005 e 2015, o Brasil conduziu programas que ofereciam amplo treinamento técnico aos profissionais de saúde dos países da América Latina e da África, em um esforço para fortalecer os sistemas de saúde desses países. O Brasil também estava por trás de alguns dos principais compromissos que as Nações Unidas delinearam em sua Declaração de 2019 sobre Cobertura Universal de Saúde .  

O tratamento da pandemia por Bolsonaro fez muito para prejudicar a estatura internacional do Brasil no campo da saúde. O presidente populista desconsiderou as recomendações do COVID-19 da Organização Mundial da Saúde, ameaçou sair da organização e tentou interromper a publicação de dados cumulativos de casos. O ministro das Relações Exteriores do Brasil frequentemente critica os sistemas de cooperação multilateral , incluindo a ONU. O governo brasileiro tem sido tão pouco cooperativo que, em abril, a delegação da OMS no Brasil descobriu que uma aliança para o desenvolvimento da vacina COVID-19 entre chefes de estado, ONU e grupos filantrópicos foi lançada sem seu conhecimento ou participação .

Felizmente, atores brasileiros fora do poder executivo do país, incluindo profissionais de saúde, organizações não-governamentais e ex-políticos, ainda estão envolvidos na diplomacia da saúde pública. Muitos deles estão organizando planos de resposta com contrapartes internacionais durante a pandemia. Um ex-presidente brasileiro, Fernando Henrique Cardoso, e um ex-ministro das Finanças, Nelson Barbosa, tornaram-se membros declarados de um grupo de mais de 140 líderes mundiais e especialistas em saúde que pedem uma vacina de patente gratuita e sem custo . Médicos da Fundação Oswaldo Cruz, instituto nacional de pesquisa em saúde do país, apelaram para uma nova força-tarefa sobre equidade em saúdena OMS. A Fundação Oswaldo Cruz também recebeu cientistas de nove países da América Latina para treinamento em seu laboratório de diagnóstico COVID-19. E a defesa do Brasil no passado continua a dar frutos: nas últimas semanas, países como França, Alemanha e Israel aprovaram novas permissões para o licenciamento compulsório para tratamentos com coronavírus.

Enquanto o COVID-19 continua a devastar o Brasil, penetrando profundamente no interior, pequenas cidades e comunidades indígenas, o governo Bolsonaro parece determinado a não reorientar sua abordagem em relação ao aconselhamento científico. Mas, local e internacionalmente, alguns brasileiros traçaram um roteiro para a resposta a crises que exibe os pontos fortes do país - seja por meio do vasto sistema de saúde que ele construiu com recursos escassos ou por seu compromisso internacional com a equidade em saúde. Aliados na sociedade civil têm trabalhado ao lado da comunidade de saúde pública do país em uma batalha de todas as horas para que essas forças prevaleçam. Por fim, será necessária a colaboração das autoridades públicas para que esses pontos fortes tenham sucesso.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar