Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Saúde mantém plano de contingência após 1° caso de coronavírus no país

A Sesapi já adquiriu um quantitativo maior de equipamentos de proteção individual (EPIs) para a rede hospitalar, independente do quantitativo a ser oferecido pelo Ministério da Saúde.

Compartilhe

Após a confirmação do primeiro caso de Covid/2019 pelo Brasil, no estado de São Paulo, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) mantém as mesmas medidas adotadas pelo Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus 2019-nCoV, estabelecido pelo Mistério da Saúde.

“Já era esperado que o Brasil apresentaria algum caso, mas não vai mudar nada em termo de manejo de pacientes. Há a previsão que, caso o Brasil tenha mais de 100 casos da doença confirmados, passemos a utilizar critério clínico-epidemiológico para diagnóstico e testes confirmatórios por amostragem, porém isso ainda será definido pelo Ministério da Saúde”, explica o médico infectologista José Noronha.

Segundo o especialista, as recomendações atuais da Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde são as mesmas adotadas para os casos de SRAG, que são isolamento de contato e de gotícula e a utilização dos equipamentos de proteção individual pelas equipes. “Serão disponibilizados até 1.000 leitos provisórios de terapia intensiva, para todo o  Brasil, caso necessário. Até o momento temos o Hospital Natan Portella como referência no Piauí. Caso apareça algum caso, o paciente será isolado para receber os cuidados necessários”, lembra Noronha.

Veja também

ver mais de "Coronavírus"

Reprodução

A Sesapi já adquiriu um quantitativo maior de equipamentos de proteção individual (EPIs) para a rede hospitalar, independente do quantitativo a ser oferecido pelo Ministério da Saúde, além disso segue com processos de reestruturação física do Instituto Natan Portella (referência para doenças infecto-contagiosas), iniciados ainda no fim do ano passado, para proporcionar maior segurança e qualidade de atendimento de pacientes com patologias respiratórias, além de ter dado início ao processo de aquisição de equipamentos de suporte intensivo à vida para 20 novos leitos de alta complexidade a serem distribuídos pelos hospitais sentinelas e de referência terciária no estado.

Como o vírus é transmitido por gotículas de saliva e catarro, que se espalham pelo ambiente, as recomendações para a população são lavar as mãos com água e sabão frequentemente, em especial após tossir, espirrar, ir ao banheiro e mexer com animais. Ter um frasco de álcool gel na bolsa também é indicado. “Ao adotar essa estratégia, evita-se que o vírus acesse seu organismo após você colocar as mãos em uma superfície contaminada. A mesma medida, aliás, vale para afastar o risco de gripe e outras tantas infecções”, disse o infectologista.

Para os cidadãos que estiveram nos países que apresentam casos da doença ou contato com pessoas de origem dessas regiões países, José Noronha apresenta algumas recomendações. “Caso o cidadão venha a ter sintomas gripais e vínculo epidemiológico com algum dos países com casos do novo coronavírus deve evitar aglomerações populacionais, para que não haja a propagação do vírus. Deve procurar a unidade de pronto atendimento mais próximo e se identificarem como caso suspeito para que a equipe médica possa iniciar os cuidados necessários. O cidadão também deve ter cuidados chamados de “etiqueta respiratória”, evitar tossir ou espirrar próximo a outras pessoas, utilizar lenço descartável ou o cotovelo da manga (jamais as mãos) para conter o espirro/tosse” enfatiza o médico.

Com relação a uma mulher, da cidade de Floriano, que chegou da Itália há cerca de 20 dias, o médico explica que a mesma não entra no lapso temporal estalecido pela OMS, mesmo assim as equipes de infectologistas e da Vigilância da Sesapi vão examiná-la novamente. “Ela foi avaliada pela equipe do hospital e pela avaliação inicial ela não se enquadra num caso suspeito de coronavírus. Por conta da própria definição temporal, já que esteve no país há mais de duas semanas, e o lapso temporal do são de 14 dias. Mas a equipe irá examiná-la novamente por questão de precaução”, afirmou José Noronha.

Com informações do Portal do Governo.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar