Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Animais mumificados há 2.000 anos são digitalizados em 3D

As descobertas podem lançar luz sobre as condições em que os animais foram mantidos e suas possíveis causas de morte, dizem os cientistas.

Compartilhe

Cientistas usaram a tecnologia de digitalização 3D para realizar um exame digital “post-mortem” em três animais mumificados do antigo Egito, mais de 2.000 anos após a morte. Pesquisadores da Swansea University analisaram os restos mortais de um gato, um pássaro e uma cobra, em “detalhes extraordinários, até seus menores ossos e dentes”.

Eles afirmam que as descobertas, publicadas na revista Scientific Reports, fornecem insights sobre o processo de mumificação dos animais, além de esclarecer as condições em que os animais foram mantidos e suas possíveis causas de morte, sem causar danos aos espécimes.

Gato mumificado (S.A)

Embora as investigações anteriores tivessem identificado quais animais eles eram, não se sabia muito sobre o que havia dentro das múmias.

O que conecta múmias e impressoras?

A autora do estudo, Dra. Carolyn Graves-Brown , do Egypt Centre da Swansea University, disse: “Nossas descobertas revelaram novos insights sobre a mumificação animal, religião e relações entre humanos e animais no antigo Egito”.

Os antigos egípcios criavam múmias de animais por vários motivos - alguns eram animais domésticos enterrados ao lado de seus donos falecidos, enquanto outros eram destinados como oferendas de comida para humanos na vida após a morte. Mas as múmias animais mais comuns foram criadas para servir como oferendas sagradas aos deuses.

Restos mortais de cobra, gato e ave (foto: S.A)

Os cientistas acreditam que pode haver até 70 milhões de animais mumificados enterrados em catacumbas subterrâneas em todo o Egito. Os pesquisadores, liderados pelo professor Richard Johnston, da Swansea University, usaram uma forma avançada de técnica de imagem, conhecida como micro tomografia computadorizada de raios-X, para gerar imagens 3D dos animais.

Ave em 3D (foto: S.A)

Com base na análise dos dentes e do esqueleto, os pesquisadores acreditam que o felino mumificado era um gatinho com menos de cinco meses de idade. Também encontraram lacunas entre os ossos do pescoço, o que, segundo a equipe, indica que o gatinho pode ter fraturado o pescoço na hora da morte ou durante o processo de mumificação para manter a cabeça em pé.

Esqueleto em 3D de cobra (foto: S.A)

A cobra mumificada fortemente enrolada foi identificada como uma cobra egípcia juvenil, que pode ter morrido devido a danos na coluna “consistente com a captura da cauda e métodos de chicotadas”. Os pesquisadores também encontraram evidências de danos nos rins da cobra, o que sugere que ela pode ter sido privada de água durante sua vida.

A imagem de alta resolução também permitiu aos cientistas identificar o que eles acreditam ser resina endurecida na boca do réptil, que eles especulam pode ter sido adicionada durante a cerimônia de abertura da boca - um antigo ritual de sepultamento egípcio. Enquanto isso, medições ósseas e varreduras 3D do pássaro sugerem que ele se parece mais com o francelho euro-asiático.

O professor Johnston disse: “Usando a micro TC, podemos efetivamente realizar uma autópsia nesses animais, mais de 2.000 anos após sua morte no antigo Egito. Com uma resolução até 100 vezes maior do que uma tomografia computadorizada médica, fomos capazes de reunir novas evidências de como eles viveram e morreram, revelando as condições em que foram mantidos e as possíveis causas da morte. ”

Ele acrescentou: “Estima-se que cerca de 70 milhões de múmias foram produzidas na época no antigo Egito. E por meio dessa tecnologia, acabamos de investigar três tipos muito diferentes - um gato, uma cobra e um pássaro. ”

O professor Johnston disse que seu trabalho poderia fornecer um modelo para futuras investigações, “potencialmente revelando muitos novos insights sobre a vida dos animais na época e também sobre as pessoas da época - como viviam e trabalhavam, e as práticas religiosas”.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar