Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Lágrimas de pássaros e répteis são semelhantes às de seres humanos

Um novo estudo encontrou semelhanças e diferenças com as lágrimas humanas que podem ser fundamentais para tratamentos veterinários e doenças oculares

Compartilhe

Os pássaros e répteis podem não ser parecidos com os humanos em muitos aspectos, mas choram lágrimas parecidas. Um novo estudo encontrou semelhanças e diferenças com as lágrimas humanas que podem ser fundamentais para tratamentos veterinários e doenças oculares.

Embora as lágrimas de mamíferos como cães e cavalos sejam mais próximas às nossas, há quantidades parecidas de fluido eletrolítico nas lágrimas de pássaros, répteis e humanos (pássaros e répteis com concentrações um pouco maiores do que os humanos).

Pesquisador coleta lágrima de papagaio (foto: divulgação)

Compreender a composição das lágrimas de várias espécies pode nos dar uma visão sobre melhores tratamentos para os olhos tanto para pessoas quanto para animais, bem como melhorar nossa compreensão das adaptações evolutivas dos animais, de acordo com um novo estudo em Frontiers in Veterinary Science.

Pesquisadores brasileiros coletaram amostras de lágrimas de animais saudáveis de sete espécies de pássaros e répteis, incluindo araras, falcões, corujas e papagaios, bem como tartarugas, jacarés e tartarugas marinhas.

"É importante entender os animais saudáveis para tratar animais doentes, porque as espécies dependem de sua visão", disse a principal autora do estudo, Arianne Oriá, professora de clínica veterinária da Universidade Federal da Bahia em Salvador (UFBA). "Os animais não conseguem viver sem visão na selva. Uma tartaruga marinha sem visão morrerá".

Os humanos também precisam ter o que os pesquisadores chamam de "superfície ocular" saudável - a camada externa do olho, incluindo a córnea, as lágrimas e as bordas das pálpebras. Caso contrário, sentirão muito desconforto, vermelhidão e coceira ou, possivelmente, problemas de visão ainda mais graves. 

Os pesquisadores também analisaram os padrões de cristalização que se formam quando as lágrimas secam, o que pode fornecer informações sobre as variações nos tipos de lágrimas e até revelar certos tipos de doenças oculares.

“Embora aves e répteis tenham estruturas diferentes responsáveis pela produção de lágrimas, alguns componentes desse fluido (eletrólitos) estão presentes em concentrações semelhantes às encontradas em humanos”, acrescentou Oriá em nota à imprensa. “Mas as estruturas cristalinas se organizam de maneiras diferentes para garantir a saúde dos olhos e o equilíbrio com os diversos ambientes”.

Apesar da composição lacrimal semelhante entre as espécies, surpreendentemente as estruturas cristalinas mostraram maior variação. As estruturas de cristal nas lágrimas de tartarugas marinhas e jacarés eram as mais distintas, provavelmente um produto da adaptação a seus ambientes aquáticos.

Meio ambiente é a chave

A pesquisa do Tear também dá aos cientistas uma visão importante sobre a saúde dos habitats dos animais e os níveis de poluição. Isso ocorre porque animais com habitats semelhantes têm rasgos semelhantes, e o ambiente ao redor tem um grande impacto na composição das lágrimas, disse Oriá.

“As lágrimas são os fluidos mais expostos ao meio ambiente. Então, com modificações sutis no meio ambiente, as lágrimas vão se modificando”, explicou Oriá. "Por exemplo, em humanos, sabemos que as pessoas que fumam têm suas lágrimas modificadas."

Como os organismos saudáveis têm a película lacrimal ideal para seus próprios habitats, qualquer mudança no ambiente pode desordenar as coisas e ter um grande impacto na saúde dos olhos.

"Se modificarmos nosso habitat com poluição ou outra coisa, criaremos um habitat insalubre para nosso filme lacrimal", disse Oriá. "Portanto, os animais, assim como os humanos, terão que ter muitos anos para se readaptar ao habitat."

Ela acrescentou que em muitas partes do mundo, os habitats estão sendo poluídos e destruídos mais rápido do que os animais - e as pessoas - podem se adaptar. Oriá disse que mais pesquisas são necessárias para expandir a compreensão das lágrimas de mais espécies e traduzir essas descobertas em tratamentos para problemas oculares em animais e pessoas.

“Esse conhecimento ajuda na compreensão da evolução e adaptação dessas espécies, bem como na sua conservação”, disse Oriá. Os pássaros e répteis podem não ser parecidos com os humanos em muitos aspectos, mas choram lágrimas semelhantes. A composição das lágrimas humanas é bem conhecida, mas até agora, havia muito pouca pesquisa sobre a composição e as estruturas das lágrimas em répteis, pássaros e outros mamíferos.

Essa falta de pesquisa pode ser considerada uma grande vergonha, pois compreender a composição das lágrimas de várias espécies pode nos dar uma visão sobre melhores tratamentos para os olhos tanto para pessoas quanto para animais, bem como melhorar nossa compreensão das adaptações evolutivas dos animais, de acordo com um novo estudo em Frontiers in Veterinary Science.

Pesquisadores brasileiros coletaram amostras de lágrimas de animais saudáveis de sete espécies de pássaros e répteis, incluindo araras, falcões, corujas e papagaios, bem como tartarugas, jacarés e tartarugas marinhas.

"É importante entender os animais saudáveis para tratar animais doentes, porque as espécies dependem de sua visão", disse a principal autora do estudo, Arianne Oriá, professora de clínica veterinária da Universidade Federal da Bahia em Salvador (UFBA). "Os animais não conseguem viver sem visão na selva. Uma tartaruga marinha sem visão morrerá".

Os humanos também precisam ter o que os pesquisadores chamam de "superfície ocular" saudável - a camada externa do olho, incluindo a córnea, as lágrimas e as bordas das pálpebras. Caso contrário, sentirão muito desconforto, vermelhidão e coceira ou, possivelmente, problemas de visão ainda mais graves.

Um pesquisador coleta lágrimas de um jacaré de focinho largo. A equipe coletou lágrimas de animais em cativeiro em centros de conservação ao redor do mundo da maneira menos estressante possível.

O novo estudo encontrou semelhanças e diferenças com as lágrimas humanas que podem ser fundamentais para tratamentos veterinários e doenças oculares. Embora as lágrimas de mamíferos como cães e cavalos sejam mais semelhantes às dos humanos, há quantidades semelhantes de fluido eletrolítico nas lágrimas de pássaros, répteis e humanos (mas pássaros e répteis tinham concentrações um pouco maiores do que os humanos).

Os pesquisadores também analisaram os padrões de cristalização que se formam quando as lágrimas secam, o que pode fornecer informações sobre as variações nos tipos de lágrimas e até revelar certos tipos de doenças oculares.

“Embora aves e répteis tenham estruturas diferentes responsáveis pela produção de lágrimas, alguns componentes desse fluido (eletrólitos) estão presentes em concentrações semelhantes às encontradas em humanos”, acrescentou Oriá em nota à imprensa. “Mas as estruturas cristalinas se organizam de maneiras diferentes para garantir a saúde dos olhos e o equilíbrio com os diversos ambientes”.

Apesar da composição lacrimal semelhante entre as espécies, surpreendentemente as estruturas cristalinas mostraram maior variação. As estruturas de cristal nas lágrimas de tartarugas marinhas e jacarés eram as mais distintas, provavelmente um produto da adaptação a seus ambientes aquáticos.

Meio ambiente é a chave

A pesquisa do Tear também dá aos cientistas uma visão importante sobre a saúde dos habitats dos animais e os níveis de poluição. Isso ocorre porque animais com habitats semelhantes têm rasgos semelhantes, e o ambiente ao redor tem um grande impacto na composição das lágrimas, disse Oriá.

“As lágrimas são os fluidos mais expostos ao meio ambiente. Então, com modificações sutis no meio ambiente, as lágrimas vão se modificando”, explicou Oriá. "Por exemplo, em humanos, sabemos que as pessoas que fumam têm suas lágrimas modificadas."

Como os organismos saudáveis têm a película lacrimal ideal para seus próprios habitats, qualquer mudança no ambiente pode desordenar as coisas e ter um grande impacto na saúde dos olhos. "Se modificarmos nosso habitat com poluição ou outra coisa, criaremos um habitat insalubre para nosso filme lacrimal", disse Oriá. "Portanto, os animais, assim como os humanos, terão que ter muitos anos para se readaptar ao habitat."

Ela acrescentou que em muitas partes do mundo, os habitats estão sendo poluídos e destruídos mais rápido do que os animais - e as pessoas - podem se adaptar.

Oriá disse que mais pesquisas são necessárias para expandir a compreensão das lágrimas de mais espécies e traduzir essas descobertas em tratamentos para problemas oculares em animais e pessoas. “Esse conhecimento ajuda na compreensão da evolução e adaptação dessas espécies, bem como na sua conservação”, disse Oriá.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar