Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Líder dentro e fora da cadeia: quem era Elias Maluco?

O assassino de Tim Lopes morreu nesta terça-feira, 23, deixando para trás uma trágica contribuição para o crime organizado do Rio de Janeiro

Compartilhe

Na noite de 2 de junho de 2002, o então jornalista da TV Globo, Tim Lopes, foi até um baile funk na favela Vila Cruzeiro, no bairro da Penha, Rio de Janeiro, com uma pequena câmera escondida para denunciar o abuso sexual de menores e o tráfico de drogas no lugar. Descoberto pelos traficantes do local, Tim foi sequestrado e levado para a Favela da Grota, localizada no Complexo do Alemão.

No lugar, ele conheceu o líder do grupo, Elias Maluco. O chefe da quadrilha não quis deixar barato o fato do jornalista estar gravando as ações ilícitas que praticavam. O apelido não é a toa: depois de torturar o jornalista queimando seus olhos com cigarros, Elias o assassinou com uma espada samurai, esquartejando-o e queimando seus pedaços dentro de um pneu.

O crime gerou grande repercussão, e Elias Pereira da Silva tornou-se um dos homens mais procurados do país. A polícia iniciou a chamada “Operação Sufoco”, cercando todas as saídas do Complexo do Alemão para tentar captura-lo. Depois de 50 horas de cerco a comunidade, o traficante, membro da facção Comando Vermelho, foi capturado sem resistir à prisão. Maluco foi condenado a 13 anos de prisão por associação criminosa com o tráfico de drogas.

Polícia apresenta Elias Maluco para a imprensa (Imagem: Wikimedia Commons)

Líder dentro da prisão

Mesmo após receber a sentença de 18 e 28 anos por outros processos subsequentes somados as penas do caso Tim Lopes, Maluco comandou, de dentro da penitenciária, queimas de ônibus e ataques a delegacias no ano de 2006, resultando na morte de 19 pessoas. Em novembro de 2010, seu convívio com outro líder do crime na prisão, Marcinho VP, motivou Elias a ordenar uma nova onda de violência no Rio de Janeiro.

Mesmo com mais de 60 mortes atribuídas a ele, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, concedeu o habeas corpus para Elias. Porém, ele continuou preso devido as suas duas outras condenações. Poucos meses depois, a medida foi derrubada pelo mesmo Tribunal. Graças a sua influência no crime organizado, o traficante foi transferido diversas vezes para outros presídios, de maneira que sua comunicação com o mundo exterior fosse bloqueada.

A primeira transição foi em janeiro de 2007, quando Elias foi retirado de Bangu I — penitenciária que o abrigava desde a captura — e foi mandado para o Presídio Federal de Catanduvas, no Paraná, em decorrência das queimas e ataques no ano anterior. Em 2010, devido aos novos ataques, foi transferido junto a Marcinho VP para a Penitenciária Federal de Porto Velho, e no ano seguinte, para Presídio Federal de Campo Grande, antes de retornar para Catanduvas, onde cumpriria os últimos anos de pena.

Elias Maluco em trecho de vídeo do julgamento / Crédito: Divulgação

Últimos anos

A equipe de advogados do criminoso tentou, nos últimos anos, desarquivar o caso do assassinato de Tim Lopes com o intuito de provar a inocência do cliente. Após receber a autorização do Conselho Federal da OAB investigar por conta própria, em 2019, o ponto dos defensores era a ossada do jornalista, que poderia ter sido averiguada de maneira rápida e sem os modernos equipamentos de identificação disponíveis atualmente.

A advogada Alexandra Oliveira Menezes era responsável por defender Elias e acrescentou que havia a possibilidade do morro não ter sinal de telefone na época para Elias ordenar tal crime: "Julgamentos como o que condenou o Elias costumam levar o dobro do tempo. Há detalhes do processo que não foram explorados. Vamos remexer com uma história que já estava enterrada”.

A nova investigação foi paralisada na tarde de 22 de setembro de 2020, quando Elias Maluco foi encontrado morto na Penitenciária Federal de Catanduvas. O corpo possuía sinais de enforcamento, porém, a causa da morte não foi confirmada pela nota oficial do Depen: “O Depen informa, ainda, que preza pelo irrestrito cumprimento da Lei de Execução Penal e que todas as assistências previstas no normativo são garantidas aos privados de liberdade que se encontram custodiados no Sistema Penitenciário Federal”.





Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar