Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Médico adia aposentadoria para atuar, mas morre de coronavírus

James Mahoney, de 62 anos, trabalhava em hospital que atendia pacientes carentes e ignorou pedidos de amigos para se preservar. "Ele atuou na linha de frente até o fim", diz irmão

Compartilhe
Google Whatsapp
Siga-nos

Aos 62 anos, James Mahoney decidiu adiar sua aposentadoria quando a pandemia de Covid-19 explodiu. Ele, que atuava num hospital do Brooklyn, em Nova York, que atende principalmente pessoas pobres e negras, queria se manter na linha de frente de atendimento aos pacientes. As informações são do G1.

Mahoney sentiu febre na segunda semana de abril. No dia 20 daquele mês, com dificuldades para respirar e andar, foi internado. Morreu sete dias depois com a doença que enfrentava.

 Foto: Reprodução/ SUNY Downstate 

“Algumas pessoas são relutantes em entrar nos quartos, e você pode entender o porquê”, disse o chefe de Mahoney, Robert F. Foronjy, ao New York Times. “Ele via outro ser humano precisando de ajuda e não hesitava”.

Médico por 40 anos, Mahoney atuou na linha de frente quando a epidemia de Aids surgiu nos anos 1980, no atendimento a vítimas dos atentados de 11 de setembro de 2001 e quando o furacão Sandy provocou enormes estragos em Nova York.

Amigos e familiares pediram para que, desta vez, aos 62 anos, se preservasse. Ele não quis. “Ele trabalhou na linha de frente até o final”, contou Melvin Mahoney, irmão de James.

“Uma das tristes histórias desta pandemia é que nós estamos perdendo pessoas que não poderíamos nos dar ao luxo de perder”, disse Foronjy.

Mahoney começou no hospital, que faz parte da Universidade Estadual de Nova York, como estudante em 1982 e nunca saiu.

Estudantes, especialmente os negros, o tratavam como uma lenda.

“Como um jovem homem negro, eu olhava para este cara e dizia a mim mesmo: ‘Em 20 anos eu quero ser como ele'”, disse ao "Times" o médico Latif Salam. “Quando um estudante negro de medicina, um residente negro, o via, via um herói. Alguém que você pode ser um dia. Ele era o nosso Jay-Z”, completa Latif, citando o rapper que é uma super estrela da música nos EUA.

A região de Nova York é a mais afetada pela pandemia de Covid-19. Segundo dados do monitoramento da Universidade Johns Hopkins, o estado registra, nesta quarta-feira (20), 28.558 mortes pelo novo coronavírus.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp
Siga-nos

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar