Lubrificantes, vibradores e outros acessórios podem trazer riscos

Há cada vez mais espaço para fantasias entre o casal

Mais do que uma forma de reprodução, o sexo também é uma fonte de prazer. Por isso mesmo, há cada vez mais espaço para fantasias, e para brinquedos que apimentem a relação. "Portanto, qualquer item que estimule o aspecto lúdico é bem-vindo e considerado saudável", considera o ginecologista Jorge José Serapião, especialista em terapia sexual e membro da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Rio de Janeiro (SGORJ). Isso inclui os famosos acessórios que fazem o sucesso dos sex shops.

Porém, apesar de serem bem-vindos do ponto de vista do prazer, é preciso tomar cuidado ao comprar esse tipo de produto, para que a saúde íntima possa ser preservada. "Como o órgão sexual da mulher é um orifício e tem uma mucosa, são necessários cuidados com traumas e lesões. E no caso do homem, não é porque é mais simples que não devemos tomar cuidado: é preciso ficar atento ao tipo de material dos produtos e não deixar a empolgação se sobrepor à cautela", alerta o urologista Valter Javaroni, membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia - Seccional Rio de Janeiro.

Tendo isso em mente, mostramos quais os cuidados que é preciso ter com alguns desses acessórios sexuais, para garantir sexo prazeroso e divertido para homens e mulheres.

Lubrificantes

Os lubrificantes não são apenas um acessório para se divertir: muitas mulheres realmente precisam deles na relação sexual. Mas é importante se manter atento ao tipo de produto que você está usando. De acordo com o ginecologista Jorge José Serapião, especialista em terapia sexual e membro da Sociedade de Ginecologia e Obstetrícia do Rio de Janeiro (SGORJ), existem três tipos desses géis: os formulados com substâncias solúveis em água, que normalmente são mais fáceis de limpar; os derivados de petróleo, como a vaselina, que costumam sujar o corpo e as roupas; e aqueles que não se conhece a composição. "Quando não sabemos a origem não é possível prever como o organismo vai reagir: pode ocorrer ardores ou mesmo alergias", ressalta o especialista.

É importante também levar em conta o tipo de preservativo e o tipo de lubrificante que você usa. "Sempre ao usar algo de látex, como camisinhas, temos que evitar a vaselina, porque ela dissolve ou fragiliza essa cobertura, comprometendo sua eficácia", ensina Serapião.

Preservativos diferentes e géis

Existem diversos preservativos com funções além de proteger os parceiros de doenças ou uma gravidez não planejada. Muitos têm sabor artificial ou com propriedades térmicas, causando mais calor ou frio com o atrito. Em ambos os casos, é importante sempre verificar a procedência do produto, já que ele terá contato com a boca ou com a genitália. "Sempre compre o produto em local confiável e de marca conhecida", assinala o urologista Valter Javaroni, membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia - Seccional Rio de Janeiro. Mesmo nesses casos, pode ser que haja alguma alergia, devido a sensibilidade do homem ou da mulher a esse produto, portanto, se você sentir alguma ardência ou desconforto, evite o uso. Os mesmos princípios ativos podem ser usados em géis, principalmente os que se esquentam um pouco, por isso cabe o mesmo cuidado quanto à procedência.

Uma dúvida comum é se a camisinha com sabor pode ser usada também na penetração. "Na maioria das vezes não causará algum dano, mas se você usar um de sabor de pimenta, isso pode ser desconfortável", ensina o ginecologista Serapião.

Cremes para estreitar a vagina

Não, não existe um creme capaz de reduzir a espessura da vagina, algo que só pode ser feito com a contração muscular, treinada em exercícios como o pompoarismo. Mas então, como essas fórmulas funcionam? "Elas são compostas por substâncias que deixam o canal tão ressecado e pouco elástico, que parece que a vagina está mais estreita", explica Serapião. É o mesmo princípio do pó da pedra hume, usada por algumas mulheres com essa mesma finalidade. O uso do produto também não é recomendado e pode gerar muito desconforto para a mulher durante a relação. "Se o ressecamento for muito grande, isso pode ser irritante ou até mesmo traumático para a vagina da mulher", ressalta o especialista. Mas tudo depende, é claro, das preferências do casal, por isso, caso queira usar, o ideal é ter parcimônia.

Vibradores

Os vibradores ou pênis de borracha são acessórios que podem ser usados para masturbação. E nesse caso o principal cuidado que se precisa ter é com a higiene do produto. "É importante que ele seja de uso pessoal, pois compartilhar o vibrador, ainda que rapidamente, pode ser fator de contaminação", explica o ginecologista Serapião. Por isso mesmo, também é importante que o material seja de fácil higienização, como o plástico ou silicone sem porosidades. Acessórios feitos de esponja ou com superfícies irregulares podem reter resíduos. "Alguns vibradores que se assemelham ao pênis são feitos com material de esterilização difícil, por serem muito porosos, então não são os ideais", alerta o especialista.

Capa peniana

Para tornar a penetração diferente, muitos homens aderem à capa peniana, um objeto semelhante à camisinha, mas com uma superfície mais irregular, o que causa estímulos diferentes na vagina. Mas o ideal é que elas sejam feitas de materiais que não agridam a mucosa da vagina, evitando alergias ou machucados.

Porém, o cuidado mais importante está em não confundir a capa peniana com um preservativo. "Ela não se adere à pele do pênis e não o envolve completamente, pode ser deslocada durante o movimento e não tem a vedação e outros critérios exigidos do preservativo para sua ação protetora contra DSTs e contraceptiva", estabelece o urologista Javaroni. Portanto, a melhor forma de usar esse acessório é por cima da camisinha, tomando cuidado para ver se ela não acaba se movendo ou rasgando durante a relação.

Anel peniano

Ao contrário de muitos itens descritos nessa galeria, o anel peniano não tem como sua principal finalidade o prazer sexual. Antes de tudo ele foi feito para auxiliar homens com problemas específicos, como dificuldades em manter a ereção. "O mecanismo da excitação normal ocorre com o aumento do fluxo sanguíneo para o pênis e redução do retorno desse sangue. Quando o homem usa o anel na base do pênis, ele ajuda a fechar essas vias, permitindo que o sangue fique lá por mais tempo, um artifício para aumentar rigidez e facilitar a penetração", ensina Javaroni.

O problema é que esse truque não faz sentido para homens que já tem uma ejaculação saudável e o uso do anel sem orientação adequada pode causar uma série de problemas. "Ele não pode ser usado por longos períodos de tempo, o limite é uma relação de até uma hora, mais do que isso descansar por uma hora e apenas reutilizar desde que não haja ferimento na região em que o anel foi colocado", ensina o especialista. O uso incorreto pode trazer diversos problemas vasculares para o pênis, além de poder causar problemas em outros órgãos internos relacionados a ejaculação, já que a uretra também é comprimida.

Bombas penianas

Todas as promessas de que as bombas a vácuo podem aumentar a espessura ou o comprimento do pênis são falhas, nem adianta acreditar. E, na verdade, a bomba peniana também tem uma função original terapêutica. "A ereção é saudável para o homem e a bomba peniana é indicada para quem tem dificuldades para obtê-la manter a saúde de seu tecido erétil", explica Javaroni. No caso de alguém saudável resolver usar o acessório, há o perigo de manter o pênis por muito tempo no vácuo ou mesmo ao manusear o anel peniano que vem em alguns desses produtos.





Fonte: Cosmopolitan
logomarca do portal meionorte..com