Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Sexo durante a quarentena: o que pode ou não fazer

Tiramos todas as dúvidas sobre a relação sexual em tempos de coronavírus com o infectologista João Prats

Compartilhe

Manter no mínimo 1 metro de distância entre pessoas, nada de aperto de mão, beijos e abraços: essas são algumas recomendações da OMS para evitar a disseminação do novo coronavírus o (Covid-19). Ok, mas e o sexo com o mozão na querentena, pode? O vírus é transmitido por meio do ato sexual? As dúvidas são muitas, por isso conversamos com o infectologista João Prats, da Beneficência Portuguesa de São Paulo, que já adianta: a transmissão do vírus acontece se uma das pessoas estiver apresentando sintomas. “Mas a doença não é sexualmente transmissível” diz o infectologista.

De acordo com ele, o sexo não é uma forma importante de transmissão. “Por conta das secreções que saem na hora do ato, as pessoas acham que pode ser transmitido. Mas não. O vírus pode passar de uma pessoa para outra por meio do contato íntimo: passar a mão no corpo e depois levá-las ao rosto e aos olhos; e a saliva”, explica.

E o sexo oral? “É um ato de risco, porque envolve a boca e o toque íntimo. Isso pode transmitir o vírus, pelo contato com a mucosa e as secreções. Se a pessoa que não está infectada ficar exposta a essas micropartículas, ela está sujeita a contrair o vírus”, esclarece. 

O infectologista explica que a penetração não é a responsável pela transmissão do Covid-19. “A relação sexual pode ser uma forma de transição como já foi citado, mas não pela penetração em si, e sim por beijos e toque das mãos. O vírus pode estar na pele ou até mesmo na cama e nas superfícies.”

Devemos deixar o date com o contatinho para depois? “Não está proibido, a não ser que o crush esteja com os sintomas (dor de garganta, tosse, febre e dificuldades para respirar). Mesmo assim, não é o indicado, devido aos sintomas só se manifestarem depois de um tempo." Anotado doutor!

O especialista aproveita para alertar sobre o uso da camisinha na hora da relação sexual: de acordo com ele, o contraceptivo não interfere na transmissão do vírus. “A camisinha é muito importante para outros fins. Neste caso, o método mais eficaz é, se possível, não entrar em conato com a saliva ou secreções do parceiro, visto que o vírus é transmitido pela boca e pelo contato íntimo. Por exemplo, se a pessoa tossir perto de você, ela tem bastante chance de te contaminar”, explica.

E as gravidinhas? Qual a chance de elas pegarem o coronavírus após uma relação sexual com alguém infectada? “O covid-19 não ultrapassa a barreira da placenta, podem transar tranquilamente”, diz Prats.

Nada de tomar banho de álcool em gel por aí, hein! “Não tem uma regra e recomendação para frequência da higienização pessoal antes ou após a relação sexual. Faça como você sempre fez. A única recomendação é para não se relacionar com quem está com suspeita de coronavírus.”



Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar