Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

1.382 obras de cinco museus do Ibram estão acessíveis on-line

Itens dos museus Histórico Nacional, Victor Meirelles, Casa dos Ottoni, do Diamante e do Ouro podem ser acessados virtualmente. Um total de nove museus terão acervos digitalizados até o fim do ano

1.382 obras de cinco museus do Ibram estão acessíveis on-line
Casa de Otoni. autor desconhecido | Divulgação
Compartilhe

Visitar museus sem sair de casa. Com um clique do mouse, é possível ter acesso à coleção de retratos do império brasileiro, realizados por diversos artistas entre os séculos XVIII e XX. Também pode-se acessar peças de ouro, diamante e de arte sacra. Desde o início do ano, 1.382 obras de arte e itens históricos de cinco museus administrados pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) foram digitalizados e estão disponíveis on-line. São coleções do Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro; do Museu do Diamante, do Museu do Ouro e do Museu Casa dos Ottoni, em Minas Gerais; e ainda do Museu Victor Meirelles, em Santa Catarina.

Museu Victor Meirelles - Apoteose tropical

Até final de 2019, o acervo de nove museus terá sido digitalizado pelo instituto, vinculado ao Ministério da Cidadania. Os próximos serão o Museu Arqueológico de Itaipu (RJ) e o Museu das Missões (RS). Estão ainda previstas a digitalização do acervo do Museu da República e do Museu Villa-Lobos, no Rio de Janeiro.

A aposta do Ibram é que a vitrine digital seja um chamariz para atrair ainda mais visitantes e pesquisadores para conhecer in loco as instituições. “Não é a mesma coisa olhar uma obra de arte in loco e olhar numa revista, numa fotografia ou on-line. A verdade é que os objetivos dos acervos digitalizados é dar às pessoas a ideia do que existe, para que elas, se inteirando desta realidade, possam visitar os museus diretamente. Este é o mote”, explica o presidente do Ibram, Paulo Amaral.

Se por um lado eles estimulam a visitação, os acervos on-line também são fundamentais para públicos específicos, como os pesquisadores. “A disponibilização diz respeito a um projeto muito maior: tem que colocar todos os dados da obra, toda a ficha técnica, a história, qual foi a origem, como se comprou, tudo isso é muito importante”, reforça Amaral, destacando a importância do acervo on-line para a pesquisa.

Museu do Ouro - Roda de fiar

História nacional na vanguarda

O acervo on-line do Museu Histórico Nacional, primeiro a ser digitalizado, teve 2 milhões de acessos só em março. O diretor da instituição, Paulo Knauss, está animado com o potencial de atração de público. “A gente tem diante de nós um enorme público para encontrar por meio da mídia eletrônica. A pessoa que conhece o acervo por informação de catálogo, por informações objetivas, vai ser aquela que vai buscar uma experiência subjetiva com essas peças catalogadas. Ao chegar ao museu, ela vai descobrir que o museu não é só um lugar de guardar peça, é um lugar de dinâmicas, de integração, de relacionamento com o acervo, e que permite também a gente promover outros laços sociais”, opina.

Knauss destaca ainda como o acesso on-line vai ajudar o museu a identificar a diversidade de público que se interessa por cada coleção. “Nossa ideia é que essa base vai ajudar o museu também a reconhecer a diversidade, a pluralidade dos seus públicos. A nossa expectativa é favorecer o público que já convive com o museu, mas, sobretudo, despertar o interesse e a curiosidade de todos aqueles públicos que, por alguma razão, ainda não conhecem o museu, ou ainda não tiveram a sua curiosidade despertada. O acesso on-line tem um alcance enorme”, disse Knauss.

O Museu Histórico Nacional disponibilizou, inicialmente, 500 pinturas de sua Pinacoteca. Estão disponíveis três exposições inéditas: “Marinhas – De Martino”, “Retratos do império” e “Paisagens cariocas”. A coleção de 15 telas do pintor italiano Edoardo De Martino (1836-1912), que se estabeleceu no Brasil entre 1867 e 1875, retrata as mais representativas batalhas navais da história brasileira. Na exposição “Retratos do império”, há 54 pinturas que revelam diferentes fases de personagens da monarquia brasileira. Aos poucos, o museu vai digitalizar os demais itens de outros departamentos. O próximo será a coleção numismática, que conta com mais de 150 mil itens.

Passeio virtual

O Museu Victor Meirelles disponibilizou todo o seu acervo museológico, totalizando 235 itens, divididos em duas coleções: a Coleção Victor Meirelles e a Coleção XX e XXI. Já em Minas Gerais, o Museu do Diamante deu acesso a 130 objetos relacionados à exploração do diamante, arte sacra, mobiliário e instrumentos musicais, dentre outros.

O Museu Regional Casa dos Ottoni disponibiliza para consulta on-line um acervo com 462 itens, formados por imagens de arte sacra, mobiliário, utensílios de cozinha, equipamento para extração de minério, pinturas, coleção numismática e documentação pertencente à família Ottoni, descendentes de um ramo da família do bandeirante paulista Fernão Dias Paes Leme. O museu também abriga objetos representativos de costumes do estado de Minas Gerais e da manufatura do queijo artesanal, que se destaca na região do Serro, na qual o Museu está edificado.

“A nossa expectativa é fomentar e consolidar a imagem da instituição, por meio da divulgação contínua do nosso acervo, possibilitando a pesquisa e promovendo a maior fruição entre o público e a instituição. A plataforma é mais uma ferramenta de auxílio para trazer o público até o museu. O nosso acervo é interativo e o museu trabalha ações, atividades, projetos para fazer com que este acervo não seja somente um objeto exposto, mas um objeto que interage com o público visitante”, afirma o diretor do Museu Casa dos Ottoni, Carlos Alberto Xavier.

E o Museu do Ouro, por sua vez, lançou no último mês um site institucional – no qual também estará disponível o acesso on-line ao acervo do museu, constituído por objetos ligados à prática da mineração (séculos XVIII e XIX) e ao estilo de vida de parcela da sociedade desse período. “A ideia de digitalizar o acervo do Museu do Ouro é trazer novas forma de diálogo do museu com a sociedade. Você fomenta a pesquisa, a troca de informações entre instituições, aumenta as possibilidades de produção de conhecimento. Cria-se uma rede de informação”, afirma o diretor do museu, Paulo Nascimento. (Por Secretaria Especial da Cultura)



Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar