Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Autor de "A Regra do Jogo" tem a missão de levantar a audiência

Parceria será repetida para garantia do sucesso da novela

Autor de "A Regra do Jogo" tem a missão de levantar a audiência
cauã | Divulgacao
Compartilhe
Google Whatsapp


Com a responsabilidade de levantar a audiência das 21h após os números abaixo do esperado de "Babilônia", o escritor também tem sobre os ombros a cobrança de repetir o sucesso do fenômeno "Avenida Brasil". Mas ele diz não encarar a tarefa como pressão. "É sempre desafiador começar uma coisa nova, o desafio é sempre bom. Vou fazer o melhor possível", garante. Parceira da novela anterior, a diretora de núcleo Amora Mautner aposta num método diferente de direção no novo trabalho, e conta que cada empreitada na TV é um risco.

"Depois de 'Avenida Brasil' a gente teve uma novela que fez muito sucesso, que foi 'Império', então eu acho que isso deixa claro que o público ainda gosta de ver novela, aprecia novelas, espera por novelas e acho que faz parte da nossa natureza. Não existe fórmula para o sucesso, a única fórmula que existe é sobre o fracasso, que é tentar agradar todo mundo. Nosso negócio é de risco, graças a Deus, se não ele para de ser artístico", diz. Boa parte da trama de "A Regra do Jogo" se passa em uma comunidade fictícia, o Morro da Macaca, onde Adisabeba (Susana Vieira) é dona da boate Caverna da Macaca e MC Merlô (Juliano Cazarré) é um funkeiro de sucesso.

O diferencial desta favela para outras vistas recentemente na ficção, como em "Babilônia" e " I Love Paraisópolis", é que é justamente um lugar inventado, diz Carneiro. "É um morro que não existe, é um pouco inspirado no Vidigal (localizado na Zona Sul do Rio), mas meio ficção científica", compara o autor, sobre a favela que "deu certo". Para Cazarré, é bom que as favelas estejam em alta nas novelas. "É bom o Brasil virar o olho para a comunidade, é uma cobrança que escuto desde criança. A TV não tem pobre, não tem favela. E a comunidade cenográfica é uma construção bem realista. O núcleo do Merlô tem uma certa liberdade poética. Estou inventando esse funkeiro, tem um pouco de fantasia, uma brincadeira também", conta.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se