Com África e Aparecida, Tatuapé e Vila Maria se destacam em SP

Escolas desfilaram na primeira noite em São Paulo

A Acadêmicos do Tatuapé e a Unidos de Vila Maria foram os destaques da primeira noite de desfiles no Anhembi. Cada uma ao seu estilo conseguiu envolver a arquibancada no espetáculo que levou ao Anhembi. A primeira noite também foi marcada pelo atraso de Sabrina Sato na Gaviões da Fiel e alfinetada ao prefeito João Dória no desfile da Tucuruvi, cuja bateria veio sob o sugestivo nome de "Cinquenta Tons de Cinza".


Com um enredo sobre a África, a Tatuapé – vice-campeã de 2016 – apresentou um desfile coeso e vibrante ao mostrar as cores, as festividades e riquezas do continente. A agremiação se valeu de ter um dos melhores sambas da safra e fez paradinhas para o público cantar em coro o refrão: "É de arerê... Ilê, ijexá/ Essa kizomba de um povo feliz/Eu sou a África... Derramo meu axé/Canta Tatuapé."

A Vila Maria, por sua vez, atingiu seu propósito de emocionar ao fazer uma homenagem aos 300 anos de Nossa Senhora Aparecida. O enredo bem amarrado pelo carnavalesco Sidnei França, que faz sua estreia na escola, tornou o desfile de fácil compreensão na avenida. A assinatura do carnavalesco fez diferença nos acabamentos das alegorias e fantasias.



Sem nudez e respeitando as orientações da Igreja Católica, a escola estabeleceu um belo diálogo entre o sagrado e o profano. Destaque também para a bateria cadência do Mestre Moleza, que deu o ritmo ao samba em forma de oração que atravessou a avenida.
 
Dez vezes campeã e a maior vencedora dos últimos anos, a Mocidade Alegre não empolgou ao falar dos seus 50 anos. Mesmo assim, fez um desfile tecnicamente primoroso, sua marca registrada e é daí que vem sua maior força para a disputa do título. 
 
Com sua torcida jogando sempre a favor, a Gaviões da Fiel falou dos migrantes que chegam a São Paulo cheios de sonhos e em busca de oportunidades.

A apresentação teve bons momentos, mas não chegou a empolgar. A cena, como sempre acabou roubada pela apresentadora Sabrina Sato, que chegou atrasada e desfiou sem parte da fantasia. 
 
Primeira escola a desfilar, a Tom Maior, que prestou uma homenagem a Elba Ramalho, teve problemas para colocar o seu segundo carro na avenida. Com isso, teve problemas no andamento da escola. O bom samba, a alegria do enredo que trouxe um pouco do Nordeste para o Sambódromo e o carisma de Elba seguraram o desfile.
 
As duas últimas a desfilar foram Acadêmicos do Tucuruvi e Águia de Ouro. Com enredos pouco atrativos, desfilaram para arquibancadas esvaziadas. A Tucuruvi, ao falar dos artistas de rua, e a Águia, ao falar sobre cães, recorreram à fórmula do visual lúdico, quase infantil. 
 
Neste sábado (25), mais sete escolas passarão pelo Anhembi em busca do título.

Image title

Image title
Image title
Image title
Image title
Image title
Image title
Image title
Image title
Image title

Fonte: Uol
logomarca do portal meionorte..com