Foi em um culto de uma igreja evangélica que Sasha Meneghel e seu marido, o cantor gospel João Figueiredo, conheceram Francisley Valdevino da Silva, o "sheik" das criptomoedas, que está na mira da Polícia Federal por ser suspeito de crime contra o sistema financeiro nacional. Francisley tinha portas abertas no círculo evangélico e, além de Sasha e João, teria feito diversas vítimas entre pastores e fiéis. 

Sasha e João investiram mais de R$ 1,2 milhão no esquema de Francisley e agora processam o empresário na Justiça de Curitiba. A Rental Coins, empresa do tal "sheik", prometia rendimentos de até 8,5% do valor investido com um esquema de "locação de criptomoedas". 

Francisley Valdevino da Silva, o “sheik” das criptomoedas, está na mira da PFFrancisley Valdevino da Silva, o "sheik" das criptomoedas, está na mira da PF

'Sheik' das criptomoedas que lesou Sasha Meneghel já foi sócio de Malafaia

O jornal O Globo divulgou que Francis era sócio de Silas Malafaia em uma empresa chamada AlvoX. Segundo o pastor, a sociedade era para um negócio de venda de livros gospel e não tinha relação com criptomoedas.

"Enquanto ele Francis investiu nessa editora, não teve uma reclamação de que ele deixou de pagar alguém. Quando ele deixou de pagar, eu caí fora da sociedade", disse ele em vídeo publicado no YouTube.

Silas afirmou que nunca fez qualquer indicação para que seus fiéis investissem em criptomoedas. "No ano passado, alertei o povo da minha igreja para ter cuidado com ganho fácil."

O casal teria feito um aporte inicial de R$ 50 mil e, posteriormente, mais dois contratos que somados totalizavam um investimento de R$ 1,2 milhão. Sem receber o retorno esperado, entraram com um processo de dano moral e material alegando suposta fraude por parte da Rental Coins. O processo corre na 14ª Vara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná. 

Sasha e o marido caíram em golpe do “sheik” das criptomoedas,Sasha e o marido caíram em golpe do "sheik" das criptomoedas,

Sasha conheceu João Figueiredo em uma viagem missionária a Angola, onde ambos colaboravam com uma ONG. João é amigo de famosos como Gabriel Medina e Bruna Marquezine. Eles assumiram o relacionamento no final de 2019 e anunciaram o noivado em novembro de 2020. 

Em nota de esclarecimento, Francisley Valdevino da Silva, também conhecido como Francis da Silva, disse que as empresas de seu grupo passam por uma reestruturação, razão pela qual deixou de pagar os rendimentos mensais prometidos a seus investidores. Na nota, ele fixou o mês de outubro para retomada dos pagamentos, “sendo este o prazo hábil para solução de todas as falhas anteriormente encontradas, possibilitando a regular continuação das atividades das empresas”. 

Francis disse que o conteudo divulgado é contrário a toda “transparência demonstrada pelas empresas do grupo, inclusive ao que tange aos riscos que permeiam o volátil mercado de criptoativos”. Ele sustenta que os contratos pactuados “efetivaram-se através da aceitação de termo de risco que os integram, cabendo ao clientes mensurá-los e não somente a empresa”.

Sem explicar os detalhes, Francis alegou que o grupo passar por um processo de reestruturação devido à “anormalidades internas verificadas ainda em outubro do ano anterior”. De acordo com a nota, os “erros cometidos por gestões passadas, que inclusive causaram enorme abalo às estruturas, ocasionaram atrasos nos pagamentos e inadimplementos contratuais”. Com isso, alega, “foram tomadas medidas urgentes para atenuar os impactos causados aos clientes”.

Francis informou que, no momento, 9.445 clientes que aceitaram o plano reestrutural e continuam recebendo seus rendimentos de cessão de criptoativos, enquanrto 4.533 clientes decidiram rescindir seus contratos por meio de acordos extrajudiciais. Ele também criticou o uso na reportagem de uma foto em que ele aparece fantasiado de sheik em evento público.