Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Preta Gil revela romance com diretora da Globo e conta detalhe íntimo

Preta Gil lembra primeiro beijo lésbico e fala: "colei velcro"

Compartilhe

Que Preta Gil não é de meias palavras, a gente já sabe. Imagina então a cantora à vontade no palco, num espetáculo no qual refaz sua trajetória, de filha de Gilberto Gil a artista de sucesso, além de polêmica. Em "Mais Preta que nunca", que teve duas sessões nas noites de quinta e sexta e retorna ao Rio em dezembro, ela lembra seu primeiro beijo gay, fala de racismo e da dor profunda pela perda do irmão.  As informações são do Extra.

"A primeira vez que colei velcro"

"Eu e (a diretora de novelas) Amora Mautner éramos amigas e estudávamos na mesma sala. Até que um dia brigamos e ficamos um tempinho sem se falar. Depois de três dias, cheguei pra ela e disse que tinha perdido a virgindade. Era mentira, mas foi a forma que encontrei para me reaproximar dela. Ficamos no fundo da sala de papo e ouvimos a professora dizer que homossexualidade tinha cura. Na mesma hora, eu e Amora levantamos e demos um beijo de língua", lembra Preta, que teve várias paixões platônicas na infância, entre elas uma heroína dos quadrinhos. 

"Eu rasgava minhas roupas para virar Mulher-Maravilha como ela fazia. Aí minha mãe resolveu fazer roupas com velcro para que eu pudesse tirar sem rasgar. Foi a primeira vez que colei velcro na vida", lembra a cantora aos risos. 

Preconceito

"Íamos voltar da escola no carro da mãe de uma de nossas amigas. Minha irmã ouviu dessa mãe que não levaria filho de macaco no carro dela e contou o que tinha ouvido para a minha (Sandra Gadelha). Minha mãe então, que estava de muletas na época, foi até a escola e destruiu o carro dela". 

Luto pelo irmão

Preta relembra no espetáculo a dor pela perda do irmão, morto num acidente de carro em 1991. É o momento em que a cantora se emociona e também leva a plateia às lágrimas. A morte de José Gil, revela ela, fez com que ele afastasse da música e seguisse outro caminho profissional. "Foi a pior coisa que me aconteceu na vida. Resolvei me afastar de tudo... Muitos anos depois, pouco antes de decidir virar cantora, comecei a sonhar muito com ele, como se fosse um sinal". 


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar