mais

Marleide Lins editou mais de 100 obras acadêmicas e literárias

Dos dezessete aos vinte anos busquei Nietzsche, Heidegger, Sartre, Simone Beauvoir, Cioran e Clément Rosset, entre outros e outras.

Escritora, pesquisadora e editora da Avant Garde Edições e design gráfica, Marleide Lins de Albuquerque nasceu em São Paulo e reside em Teresina desde criança. Desde o final da década de 1970, participa do efervescente movimento literário piauiense, quando aos 17 anos, em 1979, publicou em mimeógrafo o seu primeiro livro “Sub-Vivo”.

Marleide desenvolve projetos de pesquisa e registro sobre a temática “Identidades e diversidade cultural” que versa sobre questões de etnia e gênero. Pelo teor investigativo, científico e cultural desta série editorial, recebeu as chancelas internacionais: “Ano Brasil – Portugal / 2012 – 2013” e o “Selo da Cultura – União Europeia”, pelo Gestart: Projeto Europeu de Artes e Gestos Humanos, em 2014. 

Editou mais de cem obras literárias e acadêmicas. Algumas das suas últimas produções editoriais: “A mulher na literatura latino-americana” – 2018; “Eros das Eras”, 2019; Letras da diversidade: literatura e cenas de livre expressão; “Ciclo do Archanjo Gabriella” – 2020; “Literatura e resistência: corporeidade, gênero e decolonialidade” – 2020 e a biografia “Zé Maria – a trajetória de um homem e uma cidade” – 2020.

Marleide fala sobre a forma como a sua mãe investiu na educação, na compra de livros e coleções de grandes autores.

Que acha da afirmação de George Braque, pintor francês, quando disse que "a arte é uma ferida transformada em luz"?

Marleide Lins: L’art est une blessure qui devient lumière. Sim, a arte, ao revolver os nossos modos de subjetivação, fere, sangra e, às vezes, deixa cicatrizes. Creio que todas as autênticas linguagens de arte passam por este processo: ferida/treva que se torna “luz” ao funcionar como antídoto do próprio veneno causador da úlcera.  Percebo em mim, especialmente, como produtora de literatura, o seu veneno e bálsamo. Antes eu dizia “poemas são luzes nas trevas”, hoje eu sei que são, também, “Luzes das trevas”. E mais além, por conexão, a arte/ferida/luz é contagiante, alcança outras pessoas, cria asas e se recria.  Entre distintos, ela passa por processo semelhante ao habitar outras solidões. Salve, salve George Braque e a saga dos “malditos franceses”.

Quando sua mãe queria castigar os filhos, ela os obrigava a ler e contar-lhe o resumo da obra. Essa é uma boa estratégia pra se criar o hábito da leitura nas crianças?

ML: “Criar filhos é um ato político”. Gostaria de contextualizar: minha mãe nasceu em 1924, em Valença-PI. Aquele cenário rupestre, pleno de significados, cercado de signos pré-históricos e histórias de "cabocos brabos", não dizia muito para Dona Cândida. Sua avó fora "pega no laço", e isso não se repetiria com ela, "não aceitaria o cabresto do pai, generoso, mas tão rude com as filhas.” Minha mãe, menina, tinha outros anseios e forjou asas. Casou-se, se tornou viúva e se casou com o meu Pai. Viajou, trabalhou bastante e não teve tempo para estudo, mas gostava de ler romances. Minha mãe quis nos oferecer conhecimentos e cada um, ao seu modo, absorveu as suas lições e não “castigos”. Ela comprava enciclopédias, coleções de escritores brasileiros e estrangeiros e os grandes pensadores. Exercia o seu papel de mostrar limites e apresentar caminhos, buscava mudar o foco daquilo q ela não considerava saudável ou ético, usando como estratégia o mundo da literatura (além de “tacas”...). Era para pensar e não deixar criar teia de aranhas naquele investimento. Enquanto q no Brasil parte dos genitores “espancam” seus filhos, na Itália o “castigo” é mandá-los pensar. “Zitta! Resta qui a pensare.” “Silêncio! Fica aqui a pensar”.

Louvo a sua atitude, da aquisição das obras consideradas mais relevantes para a formação do pensamento humano, assim como a utilização desta estratégia para conhecermos mais, incluindo-nos naquele universo além da nossa realidade periférica. Para mim, uma satisfação! Aos quinze anos eu já lia os maiores filósofos, Sócrates, Platão, Schopenhauer... Dos dezessete aos vinte anos busquei Nietzsche, Heidegger, Sartre, Simone Beauvoir, Cioran e Clément Rosset, entre outros e outras. Na literatura, eu já lia Dostoiévski, Proust, Ezra Pound, Fernando Pessoa, entre outros clássicos. Creio que esta intimidade com a literatura promoveu, além do hábito da leitura, a necessidade de escrever. Aos oito anos, muito intimista, a palavra não me funcionava como um signo linguístico de comunicação, mas como abstração. Aproximei-me, à época, de uma literatura considerada fantástica/onírica/nonsense, mas de movimento transgressivo, Alice no país das maravilhas e Don Quixote de la Mancha. Nos meus rabiscos iniciais, aos dez anos, eram perceptíveis as pinceladas surrealistas. Salve, salve, Dona Cândida!

Entre outras, poema curto é característica marcante da sua obra. Qual a razão dessa preferência?

ML: “Eu não nasci assim...” Em 1979, lancei meu primeiro livro, Sub-vivo, em mimeógrafo, temática sociopolítica, pelo contexto em que vivíamos, no entanto a linguagem poética não era panfletária. Geração movimento literário/libertário conhecido como “Poesia Marginal ou Geração Mimeógrafo”. Um poema da fase: “Na frieza de cada canhão/em ferro/Criam-se ninhos de paz/em fogo/Vão-se aos ares os pombos/em massa.” Entre 1980 e 1987 fui desconstruindo e construindo uma poética para chamar de minha. Segundo o poeta Affonso Ávila, em Discurso da difamação do poeta, “todo criador é tributário de outros no processo de linguagem da poesia”.  E Eu flanei do megapoema maiakovskiano e pessoano/Álvaro de Campos (niilista-metafórico), como exemplo, “Teresinália, últimos dias de piauípéria - 1982”, ao concreto e ao haicai. Mergulhei no lago do Bashô, mas não me aquietei com a natureza do “sapo”. Trouxe Olga Savary e Safo, a poeta da “Paideia” grega e de todos os tempos.  

O poema conciso me atrai por ser leve e imagético, mas não raso. É denso e profundo. Simples e/ou sofisticado tem alcance imediato, o âmago. A concisão minimalista é traço da minha dicção poética e embora eu faça alguns haicais, ao “modo Guilhermino” e experimentos de tankas, não me considero uma haicaísta. Estou cada vez mais livre, sem amarras.  Os meus livros Sem Plano e sem piloto; Oito para ela; Os sinos que dobravam em silêncio e Lirismo antropofágico e outras iscas minimalistas, representam esta estética de incisão de gorduras. Em prosa, escrevo mini e microcontos, mas as “redes sociais” já veiculam a “twitteratura”, outra tendência minimal.

Como editora, que motivação a leva a publicar grupos "invisíveis", a exemplo de mulheres, imigrantes e exilados políticos? 

ML: A literatura tem significativa importância como elemento de construção do pensamento social e representa a sociedade de um determinado espaço e época. Se ela é produzida e editada apenas por uma elite branca, androcêntrica, misógina e LGTBfóbica que detém o poder, certamente, a sua produção literária não será representativa, mas excludente. É preciso fazer ecoar as vozes gerais que são silenciadas e considerar o discurso e lugar de fala do outro, da outra, do outre. Sofremos de um racismo estrutural que afastou durante anos alguns segmentos sociais da produção do discurso e da literatura. Mulheres, pessoas negras e negros, imigrantes e LGBTQI+ foram intencionalmente colocados no vão da invisibilidade. Na literatura brasileira percebemos vários exemplos. No romance os personagens em sua maioria são brancos e quando a pessoa negra aparece é quase sempre de forma pejorativa. O homem negro é visto como “cafuçu”, desprovido de inteligência e objeto de desejo da mulher branca. A mulher é quase sempre a vilã das relações afetivas. Há uma tentativa, na academia, de embranquecer nomes negros como Machado de Assis e Mário de Andrade, ao tempo em que buscam invisibilizar nomes como Solano Trindade e Conceição Evaristo que não conseguiu ocupar uma vaga na ABL, quem sabe por ser mulher e negra.

Na historiografia literária do Piauí havia uma lacuna entre o século dezenove e meados do século XX sobre a participação da mulher na literatura piauiense. Para mudar este cenário, apareceram algumas mulheres que realizaram investigações e registros. Entre outras, cito a profª Teresinha Queiroz, Olívia Candeia, Algemira Mendes, minha parceira nas produções de literatura e gênero. Publicamos pela Avant Garde Edições a obra Escritoras piauienses – Século XIX a contemporaneidade e mais cinco títulos sobre literatura e gênero. Editei a série “Identidades e Diversidade Cultural”, conquistando a parceria de Síria Borges e de várias instituições brasileiras e estrangeiras, especialmente, de Portugal e países da África.  Pelo teor investigativo, científico e cultural recebemos duas chancelas internacionais, “Selo Ano-Brasil/Portugal” e “Selo de Cultura da União Europeia – Artes e Gestos Humanos”. Com o Grupo Matizes publicamos a obra de dupla face Letra da diversidade – Cenas e literatura de livre expressão. Este ano será editada a Antologia Brasil-Moçambique, em parceria com o NEPA-Núcleo de Estudos e Pesquisas Afro e afro-brasileira/UESPI e CCBM – Centro Cultural Brasil-Moçambique, com a curadoria de Assunção Sousa e Élio Ferreira e apoio do SIEC. Estamos organizando o livro de contos Racconti de farfalle / Contos das borboletas, a partir de laboratório de contos com transexuais brasileiras q residem na Itália e, com o Grupo Matizes, “Letras da diversidade – artigos acadêmicos”, entre outras obras. 

Marleide Lins começou a ler os grandes clássicos na adolescênciaMarleide Lins começou a ler os grandes clássicos na adolescência

Sob que aspecto o erotismo aparece em seus textos?

ML: O erotismo em alguns poemas meus e em minicontos aparece de forma lírica, imagética e, às vezes, homoerótica. Quase sempre são ficcionais... ou não. Cito este bem cinematográfico que não representa qualquer “escrevivência”: falo versus língua/pinga orvalho/e orgasmo finda. A análise fica a cargo da recepção. Alguns graduandos e mestrandos do curso de letras da UESPI já investigaram em meus livros este presente tema. 

De que forma você explica o paraxodo entre a grande quantidade de obras poéticas lançadas e o reduzido número de leitores desse gênero literário?

ML: No momento não me considero apta para explicar tal fenômeno. O tema merece mais investigação. Quanto à formação de leitores de poemas, penso eu que se faz necessário descobrir que esta leitura é mais eficaz que “os tarjas pretas” e os livros de autoajuda.  Poemas são antídotos fortes em doses homeopáticas, florais de Bach. Apresentar livros de poemas infantis a essa faixa etária, talvez seja a estratégia, pois é revolver subjetividades e incentivar o hábito à leitura. Eis o desafio: fazer com que a criança tenha intimidade e aprenda a brincar com as palavras desde cedo, interpretando-as e seus fenômenos oníricos e lúdicos, pois que este gênero contribui para a formação do imaginário criativo. Ponte entre o mundo real e o simbólico.  Alguns pedagogos afirmam que a leitura poética pode contribuir, também, para o desenvolvimento cognitivo e sensibilidade estética. Portanto, é bastante significativo o empenho de alguns professores e professoras na formação de grandes leitores. 

Que conselhos você dá a quem quer ser escritora?

ML: Conselhos? Difícil para algo tão intimista, mas diria que a leitura dos clássicos e dos contemporâneos, de todos os gêneros, se faz extremamente necessária, além da intimidade com a língua que se escreve. Outro ponto, importante não criar expectativas em relação à crítica, recepção da obra exposta. Clarice Lispector dizia não escrever para ninguém, apenas para si. Sim, também compreendo a escrita como necessidade orgânica e solitária, mas ao dar à luz a obra, a mesma cria asas. Então é escrever... escrever e escrever...e relaxar.

Marleide Lins tem grande produção literáriaMarleide Lins tem grande produção literária

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail