Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Museu das Comunicações e Humanidades ganha plataforma digital

Museu disponibiliza acervo online com cerca de 3.800 itens, entre fotografias históricas, objetos e documentos, a maioria deles exibida pela primeira vez

Museu das Comunicações e Humanidades ganha plataforma digital
Acervo | Divulgação
Compartilhe

O Acervo Online MUSEHUM – Museu das Comunicações e Humanidades ganhou plataforma digital que expõe mais de 3.800 itens inéditos de sua coleção, entre fotografias históricas, objetos e documentos. O museu pode ser acessado pelo link: https://oifuturo.org.br/espacos/musehum/

A plataforma foi criada para ampliar o acesso ao acervo, preservar a memória, abrir novas formas de interação com o público, para além do espaço físico, e provocar novas experiências, com trilhas digitais de visitação. Inaugurado em janeiro de 2020, o MUSEHUM é localizado no Centro Cultural Oi Futuro, no Rio de Janeiro, atualmente fechado por causa da pandemia da Covid-19. Com o acervo virtual, o público de todo o país poderá acessar o acervo de qualquer lugar, a qualquer hora.

“Ao levar o MUSEHUM para o meio digital, o Oi Futuro abre mais um canal de aproximação entre o acervo e o público, que, invariavelmente, se reconhece nas histórias, sentimentos e saberes que esses objetos guardam”, diz Roberto Guimarães, gerente executivo de Cultura do Oi Futuro. “O cenário de isolamento acelerou o processo de digitalização e nos motivou a criar uma experiência online que seja uma expansão da vivência presencial do museu, possibilitando uma visão mais ampla e informativa do acervo”, completa.

Objetos, fotografias e documentos inéditos

A maioria das peças apresentadas no museu digital será vista pela primeira vez pelo público, já que não integram a exposição permanente do Museu das Comunicações e Humanidades, seja por cuidados de preservação ou por suas dimensões, que inviabilizam o transporte e a exibição física. “Nosso acervo tem um grande potencial de conexão com o público e suas memórias afetivas. São objetos do dia a dia que evocam lembranças de infância, histórias familiares, curiosidades, além de contar a história da transformação das cidades, do mundo”, explica Roberto.

O Acervo Online MUSEHUM faz uso da plataforma Tainacan, certificada pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e alinhada com padrões internacionais de classificação e  segurança de acervo. A base disponibilizada visualização dos itens em alta qualidade de digitalização, permitindo a observação de detalhes de cada peça e de dados históricos complementares. O visitante pode navegar pelo catálogo por meio de trilhas digitalizadas – por época, tema, perfil e outros – possibilitando novas experiências a cada visita virtual.

Destaques do acervo e curiosidades

Entre os destaques do Acervo Online estão mais de 2 mil fotografias históricas, com imagens de mais de um século, incluindo:

- Desenvolvimento urbano, desde a instalação das primeiras linhas telefônicas e telefones públicos;

- O dia a dia em diversas décadas: costumes e comunicação nas cidades;

- Registros das telefonistas, uma das primeiras profissões a favorecer a entrada das mulheres no mercado de trabalho;

- Fotografias autorais, assinadas por Augusto Malta, conhecido como importante cronista visual da vida e da paisagem cariocas na primeira metade do século 20. Entre os itens da coleção, estão registros das reformas do prefeito Pereira Passos e de incêndio na Praça Tiradentes;

Entre os destaques de objetos e documentos, com curiosidades:

- Primeira lista telefônica, de 1905, cujos números de telefone catalogados tinham no máximo quatro dígitos;

- A evolução do design: Aparelhos de telefone de todas as décadas, desde o modelo “Pé de Ferro”, de 1895, que funcionava a manivela, passando pelo modelo “Castiçal”, que tinha um monofone, e pelos charmosos “JK” e “Bobofone”, ícones das décadas de 1950 e 60;

- Tijolão: de 1987, um dos primeiros modelos de telefone celular do mercado brasileiro;

- Aparelho de TV com pés palito: de 1950, um dos primeiros modelos a chegar ao Brasil;

- Coleção completa da revista Sino Azul: criada nos anos 1920, primeiro house organ do país, com registros curiosos da publicidade da época, matérias jornalísticas e imagens;

- Câmeras fotográficas de todas as décadas: o avanço da tecnologia desde 1910 até os dias de hoje;

- Telégrafo: primeiro modelo a chegar ao Brasil, na segunda metade do século 19.

 



Tópicos
Compartilhe

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar