Com vaias, pouca emoção, Amanda Nunes mantém cinturão do UFC

Brasileira chegou a pedir desculpas ao público

Não foi do jeito que Amanda Nunes esperava, mas a brasileira manteve o cinturão do peso galo feminino, neste sábado, no UFC 215, no Canadá. A campeã fez uma luta sem grandes emoções no evento principal da noite, mas venceu Valentina Shevchenko em decisão dividida dos jurados.

O duelo, que já deveria ter acontecido no UFC 213, mas precisou ser cancelado depois de Amanda passar mal, chegou a ser vaiado pelo público, insatisfeito com a pouca ação no octógono.

O resultado também causou reações controversas, já que, em uma luta sem grande superioridade de nenhuma das lutadoras, a vitória poderia ter ido para qualquer lado. Dois jurados entenderam que Amanda venceu por 48 a 47, enquanto um marcou o mesmo placar para Valentina.

Amanda Nunes (Crédito: Getty)
Amanda Nunes (Crédito: Getty)

Ainda no octógono, depois da luta, Amanda chegou a pedir desculpas aos fãs que a vaiavam, mas disse que também não estava 100% para o combate, novamente com problemas de saúde, a brasileira não especificou, contudo, se foram os mesmo que a tiraram do UFC 213, no último mês de julho.

"Eu sabia tudo que a Valentina ia trazer hoje. Eu fui à academia e garanti que estaria afiada. Eu queria que ela estivesse cansada, não eu. Eu ia lutar até o final. Desculpem a todos os fãs não ter lutado na última luta, queria estar 100% para dar um show a todos. Eu e meus técnicos decidimos não lutar. Vi um médico, ele disse que precisava fazer alguma coisa. Tomei muitos antibióticos para estar aqui hoje e lutar", disse.

 Valentina, por sua vez, não fez qualquer questão de esconder a insatisfação com o resultado. Quando ouviu ao anúncio, gesticulou negativamente e depois, nos microfones, desabafou.

 Eu não entendo porque a vitória foi para o lado dela. Ela não acertou um soco, não acertou nada significante. Olhem o rosto dela, olhem o nariz dela, está vermelho por causa dos meus socos. Não entendo, ela não venceu”, disse. “Eu com certeza vou vencer a próxima, quero muito uma revanche porque estou completamente em desacordo com esta decisão", acrescentou.

Amanda é campeã das galos do UFC desde julho de 2016, quando finalizou Miesha Tate. Em sua primeira defesa de cinturão, nocauteou Ronda Rousey, mas acabou perdendo moral pelo cancelamento de última hora da primeira luta contra Valentina – na ocasião, justificou problema de “sinusite crônica”.



Fonte: Com informações da Espn