Romero marca, Corinthians revive 77 e é campeão Paulista

Camacho e Paulo Roberto chegam para o final da festa

Parecia uma viagem de 40 anos no tempo, mas não era. Neste domingo, contra a mesma Ponte Preta, com Basílio, Waguinho, Tobias, Geraldão e Wladimir presentes, com Osmar Santos na cabine, o Corinthians voltou a mostrar que o futebol de São Paulo tem um dono. Com gol de Romero, ratificou sua superioridade e ficou no empate por 1 a 1 - Marllon igualou o marcador no fim - para ficar com seu 28º título paulista. Foi a primeira taça vencida em Itaquera.

Fiel às palavras de Osmar Santos em 1977, que disse "você enche de lágrimas os olhos desse povo, você enche de felicidade o coração dessa gente", o Corinthians honrou o novo recorde de público de sua Arena com uma festa digna de campeão, e com mais do futebol que marcou o improvável roteiro de forte simbolismo: impecável na defesa, letal no ataque e vibrante em todos os setores.

Depois de um 2016 difícil, com a saída do maior ídolo Tite, o Corinthians voltou a soltar "o grito sufocado de um povo", como cravou Osmar Santos. Sufocado para Cássio, Fagner, Jô, Fábio Carille tantos heróis da conquista que em janeiro parecia improvável - não para os que duvidaram da grandeza corintiana.

Melhor: Jadson

O camisa 77 tratou a bola com carinho, como já é habitual. No primeiro tempo, deu tranquilidade ao time corintiano e criou boas chances pelo lado direito com a companhia de Fagner. Na etapa final, manteve o pé calibrado e cruzou a bola para o gol marcado por Romero.

Pior: Fernando Bob

O volante da Ponte Preta vinha bem na partida, com toques rápidos e forte marcação. Na etapa final, entretanto, o jogador errou a saída de boa. Na sequência, Jadson serviu Romero, que marcou o gol corintiano.


Image title

Image title

Fonte: Com informações da UOL