Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Abertura da bolsa brasileira hoje prenuncia sessão de grande queda

Sessão começa apenas às 13h com expectativa de forte queda para a bolsa brasileira em meio a dois dias de baixa do índice Brazil Titans 20.

Compartilhe
Google Whatsapp

Após dois dias de bolsa fechada por conta do Carnaval, a sessão desta quarta-feira (26), que terá início apenas às 13h (horário de Brasília), deve ser de forte queda para a B3. Enquanto o Brasil estava no feriado, as bolsas lá fora registraram forte queda, com a situação do coronavírus se agravando ao espalhar pela Europa e os EUA demonstrando cada vez mais preocupação com o impacto das doenças no mercado. As informações são do Infomoney. 

As principais ações de empresas brasileiras, apesar de não sentirem o impacto por aqui, viram os efeitos do aumento das preocupações com o coronavírus serem sentidos no exterior. O Dow Jones Brazil Titans 20 ADR, que compila o desempenho dos 20 ADRs brasileiros mais líquidos no mercado americano, teve queda de 4,81% na segunda-feira e baixa de 1,99% na terça, acumulando baixa de 6,71% em apenas duas sessões.

Já o principal fundo de índice brasileiro (ETF), iShares MSCI Brazil (EWZ), teve baixa de 1,41% na véspera, acumulando perdas de 6,33% nas últimas duas sessões.

Os recibos de ações da Petrobras (PETR3;PETR4) negociados na NYSE registraram queda de 9,08% para os papéis equivalentes aos preferenciais e de 8,62% para os ativos ordinários. Os papéis da Vale (VALE3), por sua vez, tiveram a sua maior variação entre as maiores baixas de ADRs de grandes empresas brasileiras na NYSE, de 9,72%. Siderúrgicas como Gerdau (GGBR4) também tiveram queda de 8%.

Reprodução

Bancos como Itaú Unibanco (ITUB4), Bradesco (BBDC4), Santander Brasil (SANB11) também tiveram forte baixa , com quedas respectivas de 7,48%, 5,15% e 7,21% nos dois dias em que a B3 esteve fechada.

O Covid-19 se espalha pela Europa, com Suíça, Croácia e Áustria registrando os primeiros casos. Na Itália, o número de mortes subiu para 11 e o número de casos está em 322.

Foi confirmado também o primeiro caso na Catalunha, levando o total na Espanha para cinco. No Irã, foram relatadas 95 infecções e 15 mortes; o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou durante coletiva de imprensa que o governo americano está “profundamente preocupado” com a possibilidade de o Irã ter suprimido informações vitais sobre os casos de coronavírus no país.

Na véspera, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos alertou que o vírus atingirá o país em breve e, desta forma, após um início de sessão em que as bolsas por lá apontavam para a recuperação, o temor voltou ao radar dos mercados. O Dow Jones fechou em queda de 3,15%, o S&P500 em baixa de 3,03% e o Nasdaq em queda de 2,77%. O VIX, índice que mede a expectativa de volatilidade do mercado de ações dos Estados Unidos, subiu 11,3%.

Já o Brasil teve nesta terça-feira um primeiro teste positivo de coronavírus. Trata-se, segundo o Ministério da Saúde, de um homem de 61 anos, residente em São Paulo, com histórico de viagem para a Itália, na região da Lombardia (norte do país), a trabalho, sozinho, no período de 9 a 21 de fevereiro. Ainda falta novo teste, que ocorrerá nesta quarta-feira, 26, para tratar o diagnóstico como confirmado.

Em meio a tantas incertezas, os investidores tentam gerenciar riscos e descobrir quanto da queda das ações e rali do títulos é razoável, dada a escalada de casos do vírus, conforme destaca a Bloomberg. A perspectiva negativa do coronavírus para o crescimento da economia global já levou o rendimento dos títulos de longo prazo do Tesouro dos EUA para uma mínima histórica, o franco suíço à cotação mais alta desde 2015 em relação ao euro e o preço do ouro para o maior nível em sete anos.

As estimativas para o impacto econômico do vírus variam muito. A Oxford Economics calcula que uma crise internacional da saúde pode ser suficiente para eliminar mais de US$ 1 trilhão do PIB global, enquanto o Fundo Monetário Internacional acredita que o vírus diminuirá em apenas 0,1% sua previsão de crescimento global de 3,3% para 2020.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar