Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Acusados de matar Major Mayron são condenados a 33 anos de prisão

A sentença dos dois acusados é da 4ª Vara Criminal de Teresina.

Compartilhe

Iranilson Pereira dos Santos e Wallisson Jhonatan Rodrigues de Sousa, acusados de assassinar o Major Mayron Moura Soares, comandante do 1º batalhão da Polícia Militar (BPM), executado durante um assalto no bairro Todos os Santos, na zona Sudeste de Teresina, no dia 21 de março deste ano, foram condenados pelo crime de latrocínio  com pena de 33 anos de prisão cada um. 

 Major Mayron Moura Soares (Crédito: Reprodução)
Major Mayron Moura Soares (Crédito: Reprodução)

De acordo com a sentença,  que foi proferida pela juíza de direito Junia Maria Feitosa Bezerra Fialho, da 4ª Vara Criminal de Teresina, Wallisson Jhonatan Rodrigues de Sousa foi condenado pelo crime de latrocínio [roubo seguido de morte], com pena de 33 anos e 04 meses em regime fechado. Iranilson Pereira dos Santos também foi condenado por latrocínio, com pena igual de 33 anos e 04 meses. 

Conforme a magistrada, os dois acusados terão que pagar multa no valor de um salário minimo. Wallison Candomblé se entregou na Delegacia de Homicídios. Ele já tinha mandado de prisão em aberto por um homicídio ocorrido em janeiro na região da Taboca do Pau Ferrado, na zona rural da capital.

Já Iranilson  Pereira do Santos foi preso na própria casa, horas após o crime, durante ações do BOPE (Batalhão de Operações Especiais) em operação conjunta com o Núcleo de Inteligência da Polícia Civil e Secretaria de Justiça. 

Wallisson Jhonatan Rodrigues de Sousa e Iranilson Pereira dos Santos (Crédito: Reprodução)
Wallisson Jhonatan Rodrigues de Sousa e Iranilson Pereira dos Santos (Crédito: Reprodução)

Acusados contam como praticaram o crime

Em depoimento, Iranilson afirmou que recebeu uma ligação de Wallison Candomblé, que o chamou para praticar assaltos. Segundo ele, foi Candomblé quem efetuou o disparo que vitimou o major. 

Odania de Lima, acusada de esconder a arma e o celular tomados durante assalto ao comandante, também foi presa. Odania é namorada de Wallison Candomblé. Em depoimento, ela disse que o parceiro colocou a arma e o celular em um saco plástico e enterrou nos fundos da casa de sua mãe.

A suspeita não foi indiciada, já que não obteve favorecimento pessoal com o crime e por ter colaborado com a polícia. Além dos pertences da vítima, foram encontrados no local uma escopeta de fabricação caseira, calibre 12 e munições  de revólveres calibre 38 e 45. Wallison vai responder pelos crimes de latrocínio - roubo seguido de morte, porte ilegal de arma de fogo e posse ilegal de munição de uso restrito.

Comandante é executado durante assalto

Na noite do dia 21 de março, o major Mayron Moura Soares, comandante do 1º batalhão da Polícia Militar (BPM), foi baleado após ser vítima de um assalto no momento que esperava sua filha em uma parada de ônibus próximo a sua residência na região do Grande Dirceu, na zona Sudeste. 

Ele foi abordado por dois homens em uma motocicleta modelo Yamaha Factor, de cor preta que anunciaram o assalto e pediram o celular da vítima. Após conseguirem pegar o objeto saíram do local disparando um tiro no peito do major. Os dois bandidos estavam de calças jeans e o  ocupante da garupa estava com uma mochila preta.

Major Mayron (Crédito: Reprodução)
Major Mayron (Crédito: Reprodução)







Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar