Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Boate Kiss alegava em laudo técnico contar com 2 saídas de emergência

O laudo dizia ainda que suas dimensões estavam adequadas à população de 691 pessoas

Compartilhe

O Comando-Geral da Brigada Militar divulgou nota oficial a respeito das investigações do incêndio que matou 234 pessoas na Boate Kiss, em Santa Maria (RS), na madrugada de domingo. De acordo com o órgão, a casa noturna alegava em laudo técnico possuir duas saídas de emergência. Porém, apenas uma porta, de entrada e saída, foi constatada.

Segundo o Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndio (PPCI) apresentado pelo responsável técnico contratado pela boate e aprovado pelo Corpo de Bombeiros, as duas portas de emergência possuíam sentido de abertura para fora, dotadas de barras anti-pânico e devidamente sinalizadas.

O laudo dizia ainda que suas dimensões estavam adequadas à população de 691 pessoas. A ocupação do local com público superior ao previsto no PPCI aprovado exigiria o redimensionamento das saídas de emergência e apresentação, por parte dos proprietários, para nova fiscalização pelo Corpo de Bombeiros. Segundo o Comando-Geral da Brigada Militar, também era dever do proprietário manter as rotas de fuga totalmente desobstruídas, o que não ocorreu.

Já a respeito dos efeitos pirotécnicos utilizados pela banda, que teriam causado o incêndio, o Comando-Geral mostrou que não houve registro de solicitação para autorização de uso desse tipo de artefato. Além disso, caso tivesse havido solicitação para uso de fogos de artifício, a corporação não teria autorizado.

As investigações mostraram que os extintores de incêndio não estavam vencidos. Segundo o Comando-Geral, a documentação apresentada pelos proprietários da boate, em outubro de 2012, comprova a validade dos extintores de incêndio até outubro de 2013. Porém, a eventual troca de equipamento, falha ou deficiência no seu manuseio ainda serão analisadas pela perícia.

De acordo com a Brigada Militar, em setembro de 2012, os bombeiros não haviam notificado o proprietário da boate sobre o vencimento do Alvará de Prevenção e Proteção Contra Incêndio, ocorrido em agosto de 2012. Em novembro, o proprietário teria solicitado a inspeção para renovação desse alvará e o processo estava em tramitação.

Segundo o Comando-Geral, nessa situação, enquanto tramita o pedido de renovação do alvará, não há previsão legal para interdição imediata determinada pelo Corpo de Bombeiros


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar