Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Câmara sofre pressão para não adiar eleição, revela Margarete Coelho

Deputada federal do Piauí tratou em transmissão ao vivo sobre a proposta que adia as eleições para novembro

Compartilhe

 Com a aprovação no Senado da proposta que adia a eleição municipal deste ano, a deputada federal Margarete Coelho (Progressistas) indicou em transmissão ao vivo na sexta-feira, 26 de junho, que a Câmara sofre uma pressão para manter o pleito em outubro. De acordo com a parlamentar, há uma indecisão na Casa Legislativa, que terá a incumbência de analisar a pauta defendida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que prevê o primeiro turno para 15 de novembro e o segundo turno no dia 29 do mesmo mês.

“Estamos nesse período eleitoral cheio de decisões, é impressionando o impacto da Covid-19, e as pessoas não estão entendendo esse novo normal, não podemos gerar expectativa com datas porque elas podem ser frustradas, mas o período eleitoral está, e o grande tema é a data das eleições; hoje há uma clara indecisão no Congresso, o Senado já acolheu a ideia do ministro Barroso (Luiz Roberto Barroso, presidente do TSE) para 15 de novembro o primeiro turno e 29 de novembro o segundo turno”, afirmou.

Na videoconferência feita com o prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), a deputada federal piauiense reverberou a preocupação com o período de campanha, por conta do contato e os atos realizados nos municípios, o que pode ocasionar um aumento nos casos de Covid-19.

“Na Câmara o debate tá diferente, creio que soframos mais a interferência da sociedade, movimentos sociais, e tem sido muito pressionada a não aderir essa alteração de datas e manter o dia 04 de outubro, qual o debate que se estabelece: o ministro Barroso ouviu muitos especialistas; na Câmara o que se diz é que não há a segurança que no dia 15 de novembro essa curva será achatada e já tenhamos certa condição de normalidade, e além de não houver a segurança ainda vamos prorrogar por 45  dias a campanha e pré-campanha, e os candidatos vão naturalmente se manifestar”, afirmou.

Margarete Coelho frisou a dificuldade em controlar os atos de campanha, principalmente no que tange o respeito aos protocolos sanitários definidos, o que pode ocorrer de forma mais eficaz no dia da eleição em si.

“De toda forma os candidatos vão tentar se relacionar com os eleitores, e não adianta pensar que vai ser tudo pela internet. A ideia é que os atos de campanha são mais difíceis de controlar do que o dia da eleição”, complementou.

Reprodução


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar