Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Casa Maria Menina forma jovens mães em situação de vulnerabilidade

A Casa Maria Menina, um espaço de convivência, em regime de externato, que atende adolescentes grávidas em situação de vulnerabilidade social há 22 anos em Teresina

Compartilhe

Gravidez na adolescência. Uma questão complexa que vez ou outra vem à tona como discussão na mídia e sociedade. No Brasil, a cada hora uma adolescente dá à luz a outra criança. Neste contexto surge a Casa Maria Menina, obra social mantida pela Congregação das Irmãs dos Pobres de Santa Catarina de Sena, fundada em 15 de setembro de 1998, e que presta um serviço de apoio às adolescentes nesta situação.

Casa de acolhimento Maria Menino, em Teresina - Foto: José Alves Filho

A Casa é o único serviço socioassistencial do estado do Piauí que trabalha especificamente com meninas grávidas. Em 22 anos de história, a realidade da gravidez precoce também mudou. Diante disso, o staff da entidade busca enfrentar a vulnerabilidade social, riscos e  preconceitos a partir de um olhar humanizado sobre as jovens.

Através de uma construção diária de hábitos, valores e consciência, as jovens aprendem a serem mães. Como fazer um enxoval? E trocar a fralda do bebê? Além disso, elas incentivam a prática do afeto, como forma de cultivar o amor de mãe para o filho que vem aí.

Casa acolhe jovens gestantes da periferia de Teresina e outras regiões - Foto: José Alves Filho

O apoio é incondicional: do espiritual ao psicológico. Ao todo, mais de 900 adolescentes já passaram pela Casa Maria Menina. “Existia a Casa de Zabelê, e lá algumas meninas ficavam grávidas e não tinham como ser atendidos. Então Dom Miguel pediu à congregação para que pudéssemos atender essas meninas. Então começamos a atender não só as meninas de lá, mas de toda a Teresina. Essa obra se estendeu e hoje é um serviço de utilidade pública”, revela Irmã Raimunda Lopes, diretora da Casa.

As meninas entram 8h e saem às 16h. Neste período elas tomam café, lancham, almoçam e tem o lanche da tarde antes de sair, de segunda à sexta-feira. “Elas têm todo o atendimento. Recebem atenção na alimentação, com nutricionista, e desenvolvem neste período de gravidez o amor pelo filho. Muitas vezes elas vêm de um ambiente que não é tranquilo, é repleto de conflitos. Então aqui fazemos uma vivência tranquila e saudável. Estamos preparando elas para serem mães”, acrescenta a religiosa.

Jovens aprendem a ser mães através de atividades - Foto: José Alves Filho

 “Aqui aprendi a ser mãe”

E.C., de 17 anos, foi mãe aos 16 do pequeno N.D., de seis meses. A experiência precoce com a gravidez não tirou a menina dos trilhos, após os momentos na Casa Maria Menina. “Aqui tive uma experiência muito positiva. Aprendi muitas coisas. Aprendi a pintar, a costurar. Aprendi a conviver com as outras pessoas. Respeitar as pessoas. Aqui aprendi a ser mãe. Só tenho agradecer por eu ter feito essa experiência aqui, então só tenho agradecer às irmãs”, revela.

Casa Maria Menino é um projeto pioneiro no Piauí - Foto: José Alves Filho

O aprendizado na Casa lhe trouxe o sentimento de pertencer a uma família, além de impulsionar a busca por melhores condições de vida. “Aqui pude fazer amizades além de aprender coisas que podem, no futuro, serem uma possibilidade de trabalho. Sobre o Nícolas, ele é muito brincalhão. Aprendi a ter um sentimento de adoração ao meu filho. Ele é minha maior inspiração para seguir em frente e não depender de ninguém. Quero superar meus obstáculos e ele é minha maior motivação”, considera.

Casa faz serviço sócioassistencial a jovens grávidas - Foto: José Alves Filho

Histórias de vida diversas

A psicóloga social Lya Passos revela que são muitos casos diferentes que chegam à Casa Maria Menina. Ela reconhece que cada caso necessita de um atendimento invidual, pois muitas das adolescentes chegam com um histórico de vida difícil.

A solução é acolher essas garotas da melhor forma possível. “É uma situação bem complexa. Nosso trabalho é desde a acolhida, quando conhecemos ela e a família. Tomamos par da história de vida delas, respeitando muito isso, para traçar um plano de acompanhamento individual. Muitas dela chegam aqui com relato de abuso sexual e a gravidez vem disso. Tem delas que é a iniciação sexual precoce. Outras até planejam a gravidez, porque tem um relacionamento com outro rapaz e acha que isso vai fazer ela formar uma família”, revela.

Objetivo é dar nova identidades a adolescentes - Foto: José Alves Filho

Lya acredita que a formação enquanto mãe perpassa de atitudes cotidianas. “Temos encontros em grupo sobre a responsabilidade da maternidade, que traz grandes mudanças físicas e emocionais. Além do cuidado do bebê. Como dar banho? Trocar fralda? Preparar a alimentação? É todo um passo-a-passo”, conta.

A maioria chega das meninas chega por demanda espontânea, além de referenciamento. “A maioria vem porque tiveram algum parente que passou pela casa. Já atendemos gerações da mesma família. Fazemos a contra-referência, encaminhando para a rede de proteção, que nos encaminha formalmente”, considera a psicóloga social.

Muitas chegam com baixa autoestima e problemas psicológicos. “Pensamentos suicidas, que acontece muito. Estamos até em setembro amarelo, é  bom ressaltar. Ansiedade e medo de enfrentar a situação. Tem o bullying que leva elas a abandonarem a escola. A preservação da vida é o foco do nosso trabalho. É preciso cultivar o autocuidado e dar conforto para elas”, relata.

Irmã Raimunda Lopes, diretora da Casa - Foto: José Alves Filho


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar