mais

Clássico: Opala é anunciado à R$ 500 mil; saiba o que ele tem de especial

Em primeiro lugar, trata-se de um dos 100 exemplares da série Collectors, inventada para marcar a despedida do sedã.

Anúncios de Opala SS a R$ 250 mil já não horrorizam mais. Entusiastas do cupê/sedã esportivo, quando encontram um impecavelmente original, topam investir no clássico nacional valor semelhante ao de clássicos americanos ou europeus de refinamento técnico e relevância superiores. 

Mas um Opala Diplomata S/E a R$ 500 mil, aí sim, arrepia. Quando vi o anúncio no Veículos Clássicos, liguei para confirmar o preço. "Sim, o valor está certo. Também nos assusta", disse do outro lado do WhatsApp Airton Nichele, da Pastore Car Collection, encarregada de vender o carro de um proprietário que, evidentemente, quer ficar no anonimato.

 Opala Diplomata S/E - Imagem: Pastore Car Collection / divulgação Opala Diplomata S/E - Imagem: Pastore Car Collection / divulgação

E o que tem o Opala de R$ 500 mil, afinal? 

Em primeiro lugar, trata-se de um dos 100 exemplares da série Collectors, inventada para marcar a despedida do sedã. Nada além de um Diplomata S/E completo, com direito a câmbio automático e toca-fitas, cujo único opcional era o revestimento interno em couro. Para identificá-lo, as inscrições "Collectors" (no volante) e "Diplomata S/E" (nas portas) são douradas.

A Chevrolet paparicava os 100 compradores com apetrechos que encantam colecionadores: acomodados em uma pasta de couro, carta assinada pelo então presidente da General Motors do Brasil, Richard Wagoner Jr.; VHS com a história do Opala, chaveiro banhado em ouro, caneta, relógio e um exemplar da Panorama, a revista interna da empresa.

Opala Diplomata S/E - Imagem: Pastore Car Collection / divulgação Opala Diplomata S/E - Imagem: Pastore Car Collection / divulgação 

Tudo guardado carinhosamente pelo proprietário, o único até aqui, que lá em 1992 chegou a telefonar para 126 concessionárias procurando pelo Opala Collectors - mal desembarcava nas lojas e a versão limitada já ia embora.

Quando achou um disponível, disparou rumo à concessionária num sábado com uma maleta de dólares para garantir que o carro não fosse vendido a outrem. Na segunda, fez o pagamento em cruzeiros, a moeda então vigente. Não havia Pix, é bom lembrar.

Opala Diplomata S/E - Imagem: Pastore Car Collection / divulgação Opala Diplomata S/E - Imagem: Pastore Car Collection / divulgação 

Outro "tempero" dos R$ 500 mil está no odômetro: 7.522 quilômetros, o que nem dá 260 km por ano. Para preservar rodas e pneus, um novo jogo foi montado no carro e os originais foram guardados em um saco fechado à vácuo. Revisões cumpridas a rigor e peças originais completam o pacote.

Vale? 

Para o dono, somente os R$ 500 mil podem compensar o desapego emocional de um carro de que tanto gosta. Embutido no valor também estão o estado do veículo e o grau de raridade. Consta que dos 100 Collectors, apenas 65 sobreviveram. Dois destes sequer foram emplacados.

Imagem: Pastore Car Collection / divulgação Imagem: Pastore Car Collection / divulgação 

Ainda que raríssimo, o Collectors não é o Opala mais cobiçado. Num ranking imaginário, o SS 1971 lidera a lista de desejos, seguido pelos SS de 1978 a 1980. Depois vêm o Collectors e os SS de quatro cilindros, na avaliação de Sylvio Luiz Pinto e Silva.

"Os SS 1971, por serem sedãs, são os mais cobiçados e estão na faixa de R$ 290 mil. Esse Collectors é uma exceção, o normal é por volta de R$ 200 mil", pondera o presidente do Clube do Opala SP. 

Imagem: Pastore Car Collection / divulgação Imagem: Pastore Car Collection / divulgação 

Para alguns comerciantes, o valor extrapola limites. 

"Já vendi um por R$ 120 mil. Acho um absurdo R$ 500 mil, e o bom senso me diz que o Collectors não vai atingir este patamar", analisa Ricardo Robertoni, da Private Collections.

Pela GG World Veículos de Coleção já passaram três unidades do Opala Collector. "Um deles, com 30 mil km, saiu por R$ 250 mil. Esse de 7.500 km é carro de R$ 300 mil. Não pode valer mais do que isso. Um dia pode até chegar, mas vai levar um tempo", argumenta o comerciante Alex Fabiano.

O último 

Produzido desde de 1968, o Opala seguiu em linha até 16 de abril de 1992, quando um Diplomata S/E Collectors da cor Vermelho Ciprius demarcou o fim de um dos modelos nacionais mais longevos e venerados. 

Esse exemplar hoje pertence a Alexandre Badolato, que faz ressalvas à série especial. "Foi uma homenagem que não está à altura da história do Opala. Deveriam ao menos ter numerado as 100 unidades com uma plaqueta no carro. Ou fazer algum tipo de marcação na numeração do chassi, que na linha de produção se intercalava com outros Opalas", lamenta o colecionador.

Imagem: Pastore Car Collection / divulgaçãoImagem: Pastore Car Collection / divulgação

Ou seja, os 100 últimos não são todos Collectors. Entre um e outro houve Opalas convencionais e até Caravans convertidas em ambulância. 

Mesmo para quem tem o último Opala produzido no Brasil - que também é um Collectors - meio milhão de reais é muito. "Eu não venderia o meu porque ele faz parte de um projeto que representa o que foi a General Motors do Brasil. Então, ter o último Opala ou o Corsa 001 e o Omega 001 faz parte de um contexto na minha coleção. Mas, se tivesse que vender, não acho que valeria R$ 500 mil", argumenta Badolato. 

Imagem: Pastore Car Collection / divulgaçãoImagem: Pastore Car Collection / divulgaçãoImagem: Pastore Car Collection / divulgação

De acordo com Nichele, da Pastore, várias propostas foram recusadas pelo proprietário, que avalia neste momento uma oferta de R$ 470 mil.

Fonte: Mora nos Clássicos / UOL

Tópicos

comentários

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Desbloquear Notificações

Como desbloquear notificações

Na barra de endereço, clique no cadeado e em Notificações escolha a opção permitir, como na imagem abaixo

desbloqueio de notificação push

Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail