Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

Cresce número de construções de pontes em Teresina, aponta Crea

Ampliando acessos, encurtando distâncias

Compartilhe

Falar de construção de pontes é falar do que elas podem proporcionar a uma comunidade, em termos de mobilidade urbana. Elas interligam no mesmo nível pontos não acessíveis, facilitando a vida de pessoas, encurtando distâncias e, contribuindo para o desenvolvimento, de modo geral.

Image title


E por que não citar a beleza das pontes, mesmo daquelas concretadas, que são exuberantes, majestosas? Muitas delas com suas arquiteturas cheias de volume e profundidade, formam verdadeiras obras de arte.

E falar das pontes de Teresina tem um quê de beleza maior. Elas interligam bairros, unem pessoas, promovem o desenvolvimento econômico, facilitam acessos, e muitas delas proporcionam fonte de trabalho e renda a muitas famílias, como, por exemplo, a Ponte João Isidoro França, mais conhecida por “Ponte Estaiada”, construída em 2010 sobre o rio Poti, ligando as zonas Norte/Centro à zona Leste da cidade. 

Além de linda e majestosa, a ponte é uma atração turística. No local acontecem várias manifestações artísticas e vendas de comidas e bebidas típicas.

Mas não podemos esquecer os velhos amores. A Ponte Rodoferroviária João Luiz Ferreira, construída em 1939, eternamente conhecida por “Ponte Metálica” sobre o rio Parnaíba, ligando e unindo também os teresinenses a Timon (MA).

O local, principalmente do lado de Timon, conserva a tradição de vendas de milhos assado e cozido, bolos, cocadas, entre outros. Enquanto se espera o semáforo abrir para dar passagem aos veículos de um dos lados das cidades, muita gente aproveita para consumir os produtos oferecidos.

E a nossa antiga e sempre nova Ponte Juscelino Kubitschek (JK), no final da Frei Serafim, construída em 1959, sobre o rio Poti, unindo as zonas Centro/Leste. A ponte foi feita em duas etapas, sendo a segunda, construída em 1975.

Ainda ligando Timon a Teresina temos a Ponte Engenheiro Antônio de Noronha, conhecida por “Ponte Nova”, construída em 1972, sobre o rio Parnaíba e a Ponte Presidente José Sarney, mais conhecida por “Ponte da Amizade”, de 1994.

Outra construção que facilitou e melhorou a mobilidade urbana foi a da Ponte Tancredo Neves, na saída da Rodoviária Lucídio Portella, feita em 1974 sobre o rio Poti, ligando a zona Sul a zona Sudeste, onde o fluxo de veículos é intenso. 

A Ponte Wall Ferraz, de responsabilidade do Estado e construída sobre o rio Poti, facilitou o acesso não só às regiões Sudeste e Leste, mas também aos maiores shoppings da capital, e mais recentemente ao Parque Potycabana, promovendo lazer, diversão e economia. 

Teresina tem três pontes em construção 

Teresina terá, nos próximos anos, três novos acessos. Na zona Sul da capital, está sendo construída a Ponte Anselmo Dias, de antemão, sendo chamada de “Ponte da Gil Martins”, pelo fato de ser construída no final da Avenida Gil Martins. 

A ponte ligará as Avenidas Gil Martins, na zona Sul, e José Francisco de Almeida Neto, na zona Sudeste. Na sua construção estão sendo investidos R$ 66 milhões com recursos do PAC Mobilidade Urbana Grandes Cidades e contrapartida da Prefeitura de Teresina.

Cerca de 35% da obra já foi finalizada. Além disso, 95% da estrutura metálica da ponte já está no canteiro de obras. A previsão de conclusão é no início de 2016. A Ponte Anselmo Dias vai melhorar o fluxo de veículos nas pontes do Tancredo Neves e Wall Ferraz e também ajudar a desafogar parte do trânsito da João XXIII.

É a principal obra de mobilidade urbana em andamento em Teresina no momento, pois terá 326,27 metros de extensão e 26,35 metros de largura e homenageia o ex-vereador Anselmo Dias, atuante líder comunitário da zona Sudeste que morreu em maio de 2014 vítima de um câncer de garganta.

Ponte Wall Ferraz – Essa construção é de responsabilidade do Estado. A Prefeitura de Teresina é responsável apenas pela construção das alças de acesso.

Ponte do Meio - As divergências em relação à construção da ponte do meio, entre as Pontes Juscelino Kubitschek, no final da Avenida Frei Serafim estão próximas de um entendimento entre as partes interessadas. “Estamos chegando a dois pré-projetos, que foram elaborados pelo engenheiro Augusto Basílio e esperamos chegar a um consenso.

Tenho certeza que em pouco tempo o impasse estará harmonizado, entre os problemas ambientais e de tráfego. A Prefeitura de Teresina está aprimorando os projetos, e ainda este ano um deles deverá ser executado”, adianta o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-PI), Paulo Roberto Ferreira de Oliveira.

Ponte do Poti Velho está em processo de licitação


A ponte sobre o rio Poti é uma obra de duplicação e será de grande importância para a mobilidade da zona Norte de Teresina, beneficiando toda a região do Poti Velho, da Santa Maria da Codipi, Parque Brasil, Jacinta Andrade, e Nova Theresina, entre outros. A licitação foi iniciada em junho.

A ponte irá interligar a Rua Domingos Mafrense à Avenida Poti Velho, que está sendo ampliada para melhorar o fluxo de veículos, passando a compor o sistema binário de tráfego com a Alameda Mestre João Isidoro França.

A obra está orçada em cerca de R$ 24 milhões, com recursos do programa PAC Mobilidade do Ministério das Cidades. A nova ponte terá 240m de comprimento, faixa de passeio para ciclistas e pedestres, faixa exclusiva para ônibus e duas para outros veículos.

Pontes devem passar por manutenção a cada cinco anos 

As pontes podem ser lindas, majestosas, exuberantes, enfim, mas precisam passar por manutenção em certo período de tempo, para se manterem em condições de trafegabilidade.

O tempo ideal para as manutenções é de cinco em cinco anos, para as pontes mais novas, de acordo com o consenso entre os profissionais de engenharia, segundo o presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-PI), Paulo Roberto Ferreira de Oliveira.

Segundo ele, esse tempo é reduzido para cada dois anos, ou seja, vai diminuindo a cada ano. O mais grave nessa história de manutenção em pontes, é que nunca é feito dessa maneira. 

Geralmente, a manutenção é feita quando a ponte apresenta rachaduras ou algum outro problema, a olho nu, que qualquer cidadão comum pode observar.

Paulo Roberto diz que muitas vezes o "conserto" é de baixo custo, mas outras vezes os responsáveis dizem não disporem de recursos para o procedimento.

"Ponte é a mesma coisa de uma casa, é preciso fazer a manutenção, periodicamente. E com as pontes é preciso ter um cuidado especial, principalmente com o tabuleiro, que é a laje da ponte. As alças são a base das pontes", explica o engenheiro.

Ele cita, por exemplo, o que está acontecendo com a Ponte da Amizade, cujo problema, diz ele, são justamente as alças. "O aterro da Ponte da Amizade está escariando e tem que se refazer e conter", diz Paulo Roberto, acrescentando que a função do CREA é fiscalizar o exercício profissional e no caso de obra em andamento, se ela está sendo feita por um engenheiro credenciado. 

"O CREA tem a função de alertar os gestores públicos sobre o problema e a responsabilidade na realização da manutenção cabe ao gestor público, responsável pela construção da ponte", esclarece.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar