A cada ano, o número de estudantes que buscam uma experiência de graduação no exterior aumenta. Estudar fora do país é desejo de seis em cada dez brasileiros, de acordo com pesquisa feita pela  Business Marketing International (BMI), que realiza o Salão do Estudante.  O último levantamento da área aponta que em 2020 aumentaram em 41% as inscrições de brasileiros no Common Application, sistema de admissão usado por 900 universidades americanas — e esse interesse não para de subir.  Tudo isso demonstra uma tendência que  passa a ser atendida pelas maiores escolas do país, com a criação de áreas de internacionalização para dar suporte aos estudantes que visam essas oportunidades.  

Essa realidade também está presente no Piauí. A recém chegada Great International School incentiva alunos com o University Connection, um Departamento de Relações Internacionais formado com o objetivo de orientar estudantes a vivenciarem um repertório de experiências que se estabelecem no aprendizado, na interculturalidade, na comunicação e no contexto acadêmico global.  

Departamentos como este têm como atribuições: organizar e compartilhar continuamente o calendário de eventos internacionais (físicos e online), lives, conferências e fechar parcerias com instituições estrangeiras, entre outras atividades. Tudo isso com o objetivo de acompanhar a vida acadêmica dos alunos, preparando-os para os exames de proficiência internacionais com workshops, simulados e aplicação do TOEFL.

Com eventos da área de internacionalização, os estudantes compreenderam mais sobre o contexto socioeconômico - Foto: DivulgaçãoCom eventos da área de internacionalização, os estudantes compreenderam mais sobre o contexto socioeconômico - Foto: Divulgação

“A Great School possui em seu DNA vocação para resultados em grandes universidades. Para isso, temos o currículo brasileiro alinhado ao ENEM e aos principais vestibulares nacionais, e um currículo internacional, reconhecido mundialmente, como o mais aceito em universidades do exterior, que terá grande importância para os estudantes que optarem para estudar fora. Nosso objetivo é tornar nossos estudantes bem preparados tanto para uma aplicação nacional , quanto internacional”, ressalta Ronald Campos, diretor de admissões da Great International School.  

Para pleitear uma vaga em instituições renomadas como as da Ivy League, formada por oito das universidades mais prestigiadas dos Estados Unidos, é importante que o estudante passe por aulas preparatórias para exames internacionais, reforço na língua estrangeira e orientação vocacional que só escolas com um departamento especializado na área oferecem.  

Cursar uma graduação em quaisquer países requer planejamento, afinal é preciso estar atento a tudo que será necessário no âmbito financeiro, acadêmico e profissional do jovem, que passará a viver em um ambiente completamente diferente em vários aspectos socioculturais e econômicos.  

Great International School promove experiências multiculturais por meio de lives e conferências - Foto: DivulgaçãoGreat International School promove experiências multiculturais por meio de lives e conferências - Foto: Divulgação

Pensando nisso, nossa escola tem o objetivo de acompanhar o desenvolvimento acadêmico (curricular e extracurricular) e humano de uma forma holística, observando talentos acadêmicos, esportivos ou artísticos dos alunos, e assim direcioná-los e capacitá-los a ingressar em uma instituição Internacional”, explica Ronaldo Campos, diretor de admissões da Great International School. 

Histórico escolar, cartas de recomendação, redação, atividades extracurriculares, entrevistas, portfólio e o SAT, termo em inglês para o teste de aptidão escolar aplicado em diversas universidades dos Estados Unidos – uma espécie de Enem americano, são algumas das várias exigências para as quais os estudantes precisam se preparar.  Nessa hora, contar com orientação e suporte especializado de um Departamento de Relações Internacionais torna-se fundamental e até vantajoso.  

“Com nosso departamento internacional, proporcionamos experiências de intercâmbio com a finalidade de apresentar opções de países e universidades aos nossos alunos. Assim, os alunos vão vivenciar uma pequena mostra do que é estudar no exterior antes da escolha por uma universidade. Para 2023, já temos oportunidades de intercâmbios para três continentes:  América do Norte, Europa e Oceania”, anuncia Ronaldo Campos.  

Simulações que reproduzem os padrões oficiais da ONU estão entre as experiências desafiadoras que os alunos vivenciam - Foto: DivulgaçãoSimulações que reproduzem os padrões oficiais da ONU estão entre as experiências desafiadoras que os alunos vivenciam - Foto: Divulgação

E um caminho muito importante para quem busca uma vaga em universidades fora do Brasil é estudar em uma escola internacional, que adota um currículo aceito no mundo inteiro. Isso é um ponto positivo no histórico escolar do aluno. “Uma escola internacional busca muito mais que oferecer conhecimento, concentra-se no desenvolver do indivíduo, no adulto que essa criança será no futuro. Por isso, durante toda sua vida acadêmica, o aluno participa de projetos práticos, com valores humanistas e questões globais”, ressalta John Whittlesea. 

Ao estudar em outro país, o jovem aprimora idiomas, vivenciando diferentes culturas e um vasto repertório de experiências que em muito contribuem com a consciência global e formação de cidadão do mundo.  “A experiência fora da zona de conforto de casa, língua ou país de origem faz o jovem viver uma imersão na diversidade cultural, que contribui com desenvolvimento socioemocional e de habilidades necessárias no contexto global, como a capacidade assumir riscos, encarar o novo, demonstrar empatia e ser agente de mudanças no planeta”, lista John Whittlesea, Diretor Pedagógico da Great International School. 

Com um currículo internacional e a devida orientação de um Departamento de Relações Internacionais, os alunos participam de atividades que permitem a formação de um rico e extenso portifólio - Foto: DivulgaçãoCom um currículo internacional e a devida orientação de um Departamento de Relações Internacionais, os alunos participam de atividades que permitem a formação de um rico e extenso portifólio - Foto: Divulgação