Crivella confirma corte de verbas para escolas de samba no Rio

Mesmo tendo prometido manter em campanha, ele confirmou corte

O prefeito Marcelo Crivella confirmou nesta segunda-feira (19) que manterá o corte de verba das escolas de samba do Rio de Janeiro para o carnaval do próximo ano. A reafirmação da manutenção do corte foi dita durante a inaguruação do mural de 2.500 metros quadrados da EScola Rivadavia Correa, no centro da cidade. O mural faz parte do projeto Rio Big Walls, de valorização de espaços urbanos, e foi pintado pela grafiteira Luna Buschinelli, de 19 anos.

"Acho que vou criar o bloco 'é conversando que a gente se entende'. Estamos enfrentando uma crise, e as crianças e as creches são prioridades. Temos de reavaliar e corrigir os custos do ano passado, quando houve um aumento do subsídio num momento de euforia", afirmou Crivella.

Crivella inaugurou o projeto Rio Big Walls, que valoriza os espaços urbanos da cidade
Crivella inaugurou o projeto Rio Big Walls, que valoriza os espaços urbanos da cidade


O prefeito também comparou a discussão sobre o carnaval com as cólicas de um parto.

"Cólicas não são pra desanimar. As cólicas de uma mulher que vai dar à luz são redentoras", disse o prefeito, que espera que da discussão nasça uma solução para o problema.

Nesta tarde, representantes da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) vão se reunir com o presidente da Riotur, Marcelo Alves.

Os integrantes de escolas de samba do Rio saíram, no último sábado (17), pelo centro e se descolaram até o sambódromo em um ato de protesto contra a decisão do prefeito.

Um dos participantes da manifestação, o diretor de carnaval da Beija-Flor, Laila, afirmou que a posição de Crivella é demagógica.

"Nós temos muitas crianças necessitadas no Rio de Janeiro, não só as das creches da prefeitura. Quando você pega um momento difícil como este e quer atingir o que mais embeleza o carnaval carioca é muita demagogia", disse o carnavalesco da Beija-Flor.

"Eu sou macumbeiro, mas eu não sou demagogo. Não tenho meios e ganhos que não seja o carnaval, e muita gente que trabalha o ano inteiro também não tem. Não tem vagabundo, não tem ladrão", acrescentou o carnavalesco.


Durante sua campanha em 2016 Crivella disse que manteria o patrocínio

Quando ainda era candidato, em agosto de 2016, Crivella disse que iria manter o patrocínio para as escolas de samba. A afirmação de Crivella foi feita em entrevistas do com os postulantes ao cargo.

Ao ser pedido um posicionamento de Crivella sobre a promessa de campanha, a resposta foi de que ele está em viagem oficial na Holanda. Em nota, a prefeitura informou ainda que haverá um encontro com a Liesa no início da semana que vem.

"Juntos, estão alinhados em estudar caminhos para que o Carnaval de 2018 seja realizado da melhor maneira possível", diz o texto.

Em entrevista de agosto do ano passado, o então candidato Crivella respondia a uma pergunta sobre a garantia dos direitos das minorias.

"Pode ter certeza que toda expressão democrática das minorias será garantida, terá apoio da prefeitura. Não vamos de maneira nenhuma ser um prefeito arrogante, senhor das próprias ideias. A Parada Gay, por exemplo. As pessoas acham que vou coibir e acabar com a Parada Gay. A Parada Gay tem recursos públicos, é preciso segurança, é preciso de limpeza. Tudo isso terá. É uma expressão democrática da minoria e tem que ser respeitado. A mesma coisa o Carnaval. O Carnaval vai ser respeitado", disse ele na ocasião.

O jornalista Edimilson Ávila questiona:

- O senhor vai dar dinheiro para as escolas de samba?

- A Prefeitura já dá.

- Quero saber se o senhor dará.

- Eu vou manter.

- Se o senhor for eleito, o senhor vai continuar...

- Eu vou fazer parcerias com as escolas e fazer o mesmo que tem sido feito ao longo dos anos.


Fonte: G1
logomarca do portal meionorte..com