Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Descoberto novo foco de coronavírus no noroeste da China

Primeiro país a ser afetado pelo vírus no final de 2019, a China conseguiu, desde então, conter a disseminação do vírus de forma considerável. Nas últimas semanas, registra-se alguns novos casos a cada dia.

Compartilhe

A China anunciou pelo menos cinco novos casos de Covid-19 nesta sexta-feira (17) em Xinjiang, uma vasta região no noroeste do país, onde vive a minoria muçulmana uigur em particular, levantando temores de um ressurgimento dos contágios.

Primeiro país a ser afetado pelo vírus no final de 2019, a China conseguiu, desde então, conter a disseminação do vírus de forma considerável. Nas últimas semanas, registra-se alguns novos casos a cada dia.

Xinjiang é um território semidesértico na fronteira com a Ásia Central, onde vivem 25 milhões de pessoas. Pouco menos da metade pertence à minoria uigure, predominantemente muçulmana e que fala um idioma semelhante ao turco.

Ao menos cinco novos casos de Covid-19 foram descobertos em Urumqi, a capital regional, disseram autoridades locais.

Fila com distanciamento em Pequim, em 17 de julho de 2020 — Foto: Wang Zhao / AFP 

A primeira infecção foi detectada na quarta-feira (15).

Como resultado, essa cidade de 3,5 milhões de habitantes fechou o metrô, enquanto as conexões aéreas foram drasticamente reduzidas nesta sexta.

Alguns usuários da rede social Weibo afirmam que vários bairros residenciais foram isolados.

Talvez para desestimular corridas aos supermercados, a imprensa oficial afirma que os estabelecimentos têm estoque suficiente de produtos.

Os Estados Unidos, junto com especialistas e organizações de direitos humanos, acusam Pequim de ter internado um milhão de muçulmanos, principalmente uigures étnicos, em Xinjiang, em nome da luta contra o terrorismo.

O governo chinês nega esse número e afirma que essas pessoas são levadas para centros de formação profissional, com o objetivo de ajudá-las a encontrar um emprego para afastá-las da tentação do extremismo.

No início da pandemia, as organizações partidárias uigures manifestaram sua preocupação com as consequências da disseminação da Covid-19 nestes centros.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar