Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Com Dilma, renda de empregado privado sobe mais que a do servidor

Em 2011 e 2012, a renda dos trabalhadores do setor privado com carteira assinada teve uma alta real

Compartilhe

Diferentemente do que ocorreu na maior parte do governo Lula, em que a renda dos servidores públicos subiu mais do que a dos empregados formais do setor privado, nos dois primeiros anos da gestão Dilma os dois grupos praticamente se igualaram em termos de evolução do rendimento, com uma ligeira vantagem para o setor privado, mostram dados da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em 2011 e 2012, a renda dos trabalhadores do setor privado com carteira assinada teve uma alta real (acima da inflação) acumulada de 8,2%; a dos funcionários públicos, 7,9%.

Já entre 2003 e 2010, os ganhos médios dos funcionários públicos subiram 32,6% em termos reais, enquanto os dos empregados privados formais aumentaram 9,3%. Considerando apenas o ano passado, a alta na área privada foi de 5,3%, enquanto no setor público atingiu 2%.


Com Dilma, renda de empregado privado sobe mais que a do servidor

Tendência

Ainda não é possível saber se essa é uma mudança de tendência que veio para ficar. Parte do aumento do setor privado verificado no governo Dilma é consequência direta do crescimento econômico registrado no último ano de Lula. Em 2010, o PIB (produto interno bruto) subiu 7,5%. Por causa disso, o salário mínimo foi reajustado em 14,13% em 2012. (O aumento do mínimo tem como referência a inflação do ano anterior e o PIB de dois anos antes.)

O reajuste do mínimo atinge mais a média salarial do setor privado. Na área pública, a proporção de pessoas que ganham o piso é menor. Como no ano passado o PIB cresceu menos (apenas 0,9%), em 2014 o reajuste do mínimo será menor e puxará menos a alta salarial do setor privado.

Mas também não se pode deixar de notar que a atual presidente tem sido firme diante da pressão de parte do funcionalismo por aumento. No ano passado, uma greve de servidores durou cerca de dois meses e terminou com uma reposição salarial de 15,8% escalonada em três anos, sendo que algumas categorias pediam reajuste de até 151%.

Vale deixar claro que os percentuais de aumento dos dois grupos aqui analisados ? funcionários formais do setor privado e do público ? variam não apenas quando os empregados têm reajuste, mas também quando aumenta ou diminui o número de pessoas de cada grupo. Por exemplo, cada vez que uma pessoa sai da informalidade e passa a ganhar o salário mínimo com carteira assinada, a renda média dos empregados privados diminui ? ainda que nenhum deles tenha sofrido redução de renda.

Em outras palavras, ao notar o baixo aumento da renda média no setor privado entre 2003 e 2010, não se pode ignorar também o alto ritmo de formalização do trabalho no período.

Diferenças

Atualmente, a renda média do empregado privado formal é de R$ 1.696, enquanto a do servidor público é de R$ 2.969. Esta postagem não discutirá se essa diferença é justa ou não, pois isso exigiria uma análise detalhada da qualificação dos trabalhadores em cada setor. Por exemplo, é normal que os muitos profissionais do direito que não passam no exame da Ordem dos Advogados do Brasil sejam absorvidos pela iniciativa privada com um salário menor do que o daqueles que foram aprovados em concurso para procurador ou magistrado.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar