Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore

EUA: família, políticos e ativistas iniciam funeral de 6 dias de Floyd

Morte de ex-segurança durante ação policial gerou clima de comoção nos Estados Unidos e manifestações que se espalharam pelo mundo. Com atos mais tranquilos, Washington e Los Angeles retiram toque de recolher.

Compartilhe

Familiares e amigos de George Floyd organizam nesta quinta-feira (4), em Minneapolis, o primeiro funeral do ex-segurança, morto em maio durante uma ação policial — caso que gerou onda de protestos contra o racismo nos Estados Unidos e no mundo.

De acordo com a emissora norte-americana CBS, o corpo de Floyd será levado ainda a outras duas cidades para outras cerimônias: Raeford, na Carolina do Norte, cidade natal do ex-segurança; e Houston, onde ele foi criado. A última homenagem está marcada para terça-feira.

Foto: REUTERS/Lucas Jackson 

A cerimônia em Minneapolis tem a presença do ativista Martin Luther King III, último filho vivo de Martin Luther King Jr., que lutou pelos direitos civis da população negra dos EUA em meados do século XX. Políticos como a senadora Amy Klobuchar, ex-pré-candidata à presidência dos EUA, também participaram do ato. O prefeito Jacob Frey também esteve no funeral.

Além dos funerais, nesta quinta, os Estados Unidos entram na 10ª jornada de protestos contra o racismo. A noite anterior teve novos confrontos e casos de vandalismo, mas as manifestações ocorreram de maneira bem mais tranquila do que em outros dias.

Caso George Floyd

George Floyd morreu em 25 de maio após ser filmado com o pescoço prensado pelo joelho de um policial branco em Minneapolis. O ex-segurança, que era negro, foi alvo da operação policial por supostamente tentar pagar uma conta em uma mercearia com nota falsa de US$ 20, segundo a imprensa norte-americana.

Foto: Bebeto Matthews/AP Photo 

As imagens reacenderam a questão racial dos Estados Unidos e deram início a uma série de protestos antirracismo que tomaram conta do país.

Uma primeira perícia, oficial, não indicou evidências de que Floyd morreu por asfixia. Entretanto, outras duas autópsias indicaram que, sim, o ex-segurança foi morto por sufocamento.

O laudo da autópsia realizada pelo condado de Hennepin, divulgado à imprensa nesta quarta-feira, informa ainda que Floyd tinha presença de coronavírus no organismo quando morreu. O ex-segurança havia sido diagnosticado com Covid-19 no início de abril.


Tópicos
Compartilhe
Não venda minhas informações pessoais

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Podcast

Selecione seus podcasts

atualizar