Em entrevista ao Fant?stico deste domingo (23), Fl?via Gracie, irm? do lutador de jiu-j?tsu Ryan Gracie, disse que responsabiliza o estado pela morte dele. O rapaz morreu aos 33 anos na carceragem do 91? Distrito Policial, na Vila Leopoldina, em S?o Paulo, onde estava detido por tentativa de furto.

A fam?lia diz que o lutador n?o era ladr?o, mas teve uma alucina??o no momento em que foi preso. ?Ele estava fugindo de um inimigo imagin?rio que s? ele via?, acredita Fl?via.

Os parentes afirmam, ainda, que o rapaz tinha problema com drogas. ?Ele veio aqui pro Rio uma semana antes [da morte] e tinha uma paran?ia?, conta Ralf Gracie, irm?o do lutador. Segundo ele, o atleta achava que estava sendo perseguido e que algu?m queria mat?-lo.

Em 14 de dezembro, quando foi preso, Ryan n?o foi trabalhar em sua academia, em S?o Paulo. Ele ficou em casa acompanhado de um sobrinho. Foi o garoto, de 17 anos, que percebeu que Ryan estava mais agitado do que o normal. ?Quando cheguei [? casa de Ryan], ele j? tinha sa?do?, afirma Carlos Alberto Vieira, o Russo, primo do atleta.

De acordo com a pol?cia, Ryan segurava uma faca de cozinha ao atacar dois carros. ?Ele achou que tinha gente atr?s dele. Entrou no carro e falou com um senhor "vamos que est?o tentando me pegar"?, diz Russo.

A irm? de Ryan conta que, depois de ser medicado pelo psiquiatra particular no Instituto M?dico-Legal (IML), onde passou por exame de corpo de delito, o lutador ficou alterado. ?Ele n?o estava mais quase andando. Tivemos que segur?-lo?, conta. Para ela, os rem?dios causaram o problema.

Os parentes dizem que, por volta das 9h de 15 de dezembro, receberam a liga??o de um policial dizendo que o atleta estava passando mal. ?N?s n?o sab?amos que ele j? estava morto?, lembra Fl?via.

Perguntada quem responsabiliza pela morte do lutador, Fl?via ? categ?rica: ?O estado. O Ryan estava sob a responsabilidade do estado.?

A morte est? sendo investigada. O Conselho Regional de Medicina apura as a?es do psiquiatra Sabino Ferreira Farias Neto, que atendeu o atleta. J? a Corregedoria da Pol?cia quer saber se houve corrup??o ou falta de socorro. O Minist?rio P?blico, por sua vez, investiga se o que aconteceu no 91? DP pode ser considerado um crime.

Em nota oficial, a Secretaria de Seguran?a P?blica de S?o Paulo informa que a Corregedoria da Pol?cia Civil est? investigando todas as poss?veis irregularidades relacionadas ? morte.