A massa de ar frio que se iniciou no Sul do país no começo da semana já chegou ao Norte e Nordeste. Nos estados dessas regiões, as chuvas que caem incessantemente desde a semana passada podem até diminuir um pouco, mas não cessarão completamente. Além disso, a circulação dos ventos vindos do Sul e Sudeste fará o clima ficar mais gelado na parte mais alta do país.

Em Teresina, a previsão para essa sexta-feira (20), é de períodos nublado com chuva a qualquer hora. A máxima é de 30º e mínima de 23º com probabilidade de chuva de 90%.

Frio segue avançando para as regiões do Norte e Nordeste nesta sexta-feira (20)Frio segue avançando para as regiões do Norte e Nordeste nesta sexta-feira (20)

O oposto acontecerá no Sudeste e Centro-Oeste, onde o frio começa a diminuir durante o fim de semana. A partir desta sexta-feira (20), o sol começa a sair timidamente durante a tarde nos próximos dias, fazendo com que as temperaturas máximas fiquem levemente mais altas até a próxima segunda-feira (23).

Cesar Soares, meteorologista da Climatempo, explica que o ar frio de fato só vai perder força a partir de quarta-feira, quando o Sol irá aparecer mais ao longo do dia, aumentando as temperaturas.

Segundo o especialista, a tempestade subtropical Yakecan, uma das responsáveis pelo frio, agora está "morrendo" e deslocando para o alto-mar na altura dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Por isso, o mar permanece agitado pelo menos até o final desta semana entre o litoral do Rio e o Rio Grande do Sul.

Já no Nordeste, as temperaturas também vão subir, mas a presença da frente fria por lá irá favorecer a ocorrência de temporais, principalmente na região do leste de Alagoas e Pernambuco.

Segundo o Climatempo, nesta sexta (20) há previsão de chuva a qualquer hora do dia em Maceió e pancadas de chuva à tarde no Recife.

Outra onda de frio?


Sobre a possibilidade de outra onda de frio nos próximos dias, Cesar explica que, por enquanto, isso vai demorar. Há uma onda de frio prevista para a primeira quinzena de junho, mas nada tão intenso quanto essa de agora.

"Inclusive, esta deve ter sido a onda de frio mais intensa deste ano aqui no Brasil", avalia.