Hackers inscrevem aluna nota 1.000 no Enem em "Produção de Cachaça"

Hackers invadiram e alteraram a opção de curso da jovem

O site do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), do Ministério da Educação, foi hackeado na noite da segunda-feira (30) após terem sido divulgados os resultados do Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem.

Vários estudantes foram inscritos em cursos escolhidos pelos hackers. Tereza Gayoso, de 23 anos, nota máxima na redação do exame e que pretendia cursar medicina, soube nesta terça-feira (31) que havia sido inscrita em Produção de Cachaça, no Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, em Salinas. “Eu não consigo acreditar que fizeram essa ruindade comigo.”

Um estudante do Distrito Federal, também afetado pela ação dos hackers e que pediu para não ser identificado pela reportagem, afirmou que foi inscrito em ciências sociais na Universidade Federal do Acre, contra a sua vontade. “Acho triste eu precisar me preocupar com minha segurança em um site do governo”, afirmou. “O site do Ministério era para ser, teoricamente, seguro.”


Tereza Gayoso, nota máxima na redação do Enem 2017 (Crédito: Reprodução)
Tereza Gayoso, nota máxima na redação do Enem 2017 (Crédito: Reprodução)


Fonte: Com informações da Época
logomarca do portal meionorte..com