Homem morre após ser abordado por fiscais da Receita Federal

O órgão declarou que Ademir teve uma convulsão

Ademir Gonçalves Costa, de 39 anos, foi morto no último sábado (28) após ser preso por fiscais da Receita Federal, na Ponte da Amizade, na fronteira com o Paraguai. Ele trabalhava com vendas em Ciudad del Este e voltava em um mototáxi quando foi abordado. Os agentes alegam que o homem resistiu e, por isso, foi detido. Ele foi levado a uma sala da Receita e já saiu de lá sem vida.


Em nota, o órgão declarou que Ademir teve uma convulsão e expeliu sangue pela boca antes de falecer. O comunicado afirmou, ainda, que ele foi atendido por socorristas do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), assim que foi detido, por apresentar um estado de comportamento alterado.

No entanto, a versão é confrontada por amigos e pela namorada do vendedor, Thaís Claro Goulart. Em entrevista à Rede Massa News, do Paraná, ela contou que Ademir foi espancado pelos fiscais. “Esse tal de Ezídio já derrubou ele da moto e partiu para a porrada pra cima dele. E ele resistiu à abordagem, né? E começaram a bater nele. Tacaram spray de pimenta na cara dele, meteram spray de pimenta na cara dele”, disse.

“Daí levaram ele para uma sala, deixaram ele lá e lá eles agrediram ele muito, porque ele está todo machucado. Inclusive mandaram um laudo para o IML que ele morreu de morte natural. Eu vi o corpo. Está todo machucado, todo, todo. A boca dele está estourada, a cabeça dele está machucada, as pernas, tudo. Tudo muito feio”, prosseguiu. Segundo ela, o homem era alérgico e pode ter tido uma forte reação ao gás de pimenta.

O laudo da necropsia só será revelado em 30 dias. Fotos que circulam pela internet mostram Ademir com o rosto desfigurado, com marcas de sangue e hematomas nas pernas. Em um vídeo feito por testemunhas, ele aparece deitado no chão, fora da sala da Aduana, totalmente dominado e com as calças abaixadas.

Image title

Image title

Fonte: iG