Você precisa verificar a sua conta, acesse o seu e-mail

mais
URGENTE
Acidente em aeroporto de Teresina causa confusão em voôs para todo o país
Baixe o nosso APLICATIVO
ESCOLHA A LOJA ABAIXO: Google Play AppStore
curiosidades rede meionorte blogs notícias entretenimento esportes cidades carros

Hospital realiza procedimento inédito no Estado do Piauí; saiba

A colangioscopia foi realizada no Hospital Unimed Primavera (HUP).

Compartilhe
Google Whatsapp

Neste mês, foi realizada no Hospital Unimed Primavera (HUP) a primeira colangioscopia peroral, procedimento cirúrgico inédito no estado do Piauí coordenado pelo médico gastroenterologista, Lucídio Leitão.

A colangioscopia consiste na visualização direta da área biliar para tratamento de cálculos biliares de difícil remoção, identificação de estenoses biliares indeterminadas e diferenciação entre lesões da região biliar.

O procedimento cirúrgico também contou com a presença do médico gastroenterologista, Daniel Dutra, e do médico endoscopista intervencionista do Hospital das Clínicas de São Paulo, Tomazo Franzini, que veio ao Piauí implantar o método.

\"\"

Lucídio Leitão aponta os benefícios do método. “A colangioscopia peroral permite ter visão direta dos ductos pancreáticos, o que favorece a precisão dos diagnósticos”. O primeiro paciente que passou pelo procedimento foi um jovem que apresentava obstrução no canal. “A bílis não conseguia ir do fígado para o intestino. Ele estava com corpo amarelado e tinha períodos de febre.  Outro sintoma que o incomodava bastante, era a constante coceira que sentia”, relata o médico, acrescentando que o paciente tinha uma obstrução de difícil visualização, mesmo usando ressonância ou outros métodos. “Precisávamos saber se a obstrução era benigna ou maligna. No sábado (03/11), conseguimos ver que era uma obstrução benigna”, destaca. Após a intervenção, o jovem já recebeu alta e vai iniciar o tratamento.

\"\"

Equipe especializada

Para realizar a colangioscopia peroral é necessária uma equipe especializada e cuidados básicos, como a definição do local onde será feito o procedimento.  “A colangioscopia deve ser feita num centro cirúrgico, em um hospital que tenha suporte adequado. O índice de complicação é baixo, mas precisa de um hospital que dê um suporte com um centro cirúrgico preparado e tenha uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI)”, alerta Lucídio Leitão.

Após o sucesso da primeira cirurgia, o médico informa que a colangioscopia será incluída nas intervenções de rotina sempre que surgir uma situação que exija esse tipo de método.

\"\"


Segurança do Paciente

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Joint Commisssion International (JCI) estabelecem metas internacionais de segurança do paciente. Uma delas contempla a cirurgia segura, que minimiza os riscos aos pacientes durante os procedimentos cirúrgicos. Para isso, são definidas etapas e responsabilidades à equipe de multiprofissionais.

O Hospital Unimed Primavera (HUP), por meio dos Núcleos de Controle de Infecção e Segurança do Paciente, realiza o cumprimento do que foi estabelecido mundialmente.

\"\"


O médico infectologista e coordenador do Núcleo de Controle de Infecção do HUP, Maurício Mendes, ressalta a importância desse tipo de campanha. “A campanha terá cunho educativo e tem como objetivo reciclar a equipe de profissionais do hospital. Serão feitos encontros com exposições orais e a colocação de informes sobre cirurgia segura em pontos estratégicos”, diz. O médico complementa que esse tipo de iniciativa é importante porque deixa o paciente bem informado sobre os cuidados tomados antes, durante e após uma cirurgia. “Passar confiança para o paciente é de suma importância, pois diminui sua ansiedade antes de passar por um procedimento. A campanha também reduz a ocorrência de riscos internos”, destaca.

De acordo com a enfermeira Alice Fraga, que faz parte dos núcleos, a campanha iniciada neste mês de novembro visa disseminar e intensificar o que é preconizado mundo afora. “Os cuidados com o paciente vão desde sua admissão no hospital para realização de cirurgia, até sua saída”, destaca. Ao entrar no hospital para passar por um procedimento cirúrgico, o paciente recebe uma pulseira de identificação, que é minuciosamente checada. Em seguida, é direcionado ao posto para o pré-operatório, onde é feito um check-list de encaminhamento para o centro cirúrgico.

A enfermeira diz que dentro do centro cirúrgico devem ser seguidas algumas etapas importantes, como a que é realizada no momento que antecipa a cirurgia, quando é feita uma chamada nominal do time que vai participar do procedimento; antes da incisão e antes da saída do paciente da sala de cirurgia, a fim de fazer levantamento do material realmente utilizado e discutir o plano de tratamento do paciente. “Tudo isso evita eventos adversos e garante a maior segurança do paciente”, ressalta.

\"\"


Controle de Infecções

Os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) estimam que, a cada ano, 63 milhões de pessoas sejam submetidas a tratamentos cirúrgicos devido a algum evento traumático. A estatística destaca que 10 milhões de operações são realizadas por complicações relacionadas à gravidez e mais 31 milhões no tratamento de malignidades.

Os riscos podem ser controlados por meio de campanha de prevenção como a realizada pelo Hospital Unimed Primavera, que garante a segurança do paciente. A OMS informa que em países industrializados, há complicações de 3 a 16% nos procedimentos cirúrgicos em pacientes internados, com taxas de incapacidade permanente ou morte de 0,4 a 0,8%.

Já em países em desenvolvimento os números são mais elevados. Como apontam os estudos, a taxa de mortalidade é de 5 a 10% durante cirurgias mais extensas. Infecções e outras complicações pós-operatórias são preocupações mundiais. A OMS destaca que, no mínimo, sete milhões de pacientes cirúrgicos são prejudicados por complicações a cada ano, sendo que uma média de um milhão de pacientes morre durante ou imediatamente após o procedimento.

\"\"


Mais ações

No mês de outubro, o Hospital Unimed Primavera, atendendo às normas internacionais, redobrou os cuidados com a prática de lavagem das mãos na Unidade de Terapia Intensiva, medida que faz parte das metas internacionais de segurança do paciente. A prática ajuda a prevenir os riscos de infecções no hospital, de modo a fortalecer a segurança dos usuários. Os critérios para definição do ranking foram contabilizados por um profissional treinado pelo Serviço de Controle de Infecção do HUP.


Tópicos
Compartilhe
Google Whatsapp

veja também

Recomendamos

Localização

Definir a localização padrão

Central do usuário

Login pelas Redes Sociais

Nunca postaremos nada em seu nome


Login por e-mail

Use sua conta cadastrada por e-mail

Não tem conta no meionorte.com?

Cadastre-se

Fique por dentro

Receba notícias quentinhas diretamente no seu whatsapp

Continuar

Falta pouco, agora escolha as categorias que deseja receber notícias

Aperte (ctrl + clique) para selecionar vários
Pronto!

Agora você passará a receber novidades diretamente no seu whatsapp.

Termos de uso

Texto

Política de privacidade

Texto

×